Sevens 339

Anterior | Próximo


Duas Espadas

 

… Animado, o Quarto cortava o dragão dourado com uma velocidade grande o bastante para deixar vestígios de imagens.

— Até as escamas dessa coisa se regeneram!

Apesar de continuar a atacar com suas adagas, até as escamas que ficavam soltas e caíam, se regenerariam. Sua esposa olhou para ele, fazendo um punho fechado de vitória.

— Que maravilhoso! Continue pegando mais dessas escamas!

A esposa do quarto foi conferir uma das escamas. Tocando e batendo de leve seu punho sobre ela, ela parecia estar verificando seu valor.

— Fredricks! Aqui! Olha! Tenho certeza que essas escamas são materiais preciosos!

Vendo a figura risonha inocente de sua mãe, Fredricks quase sentiu vontade de largar sua espada.

— … É, parece que é a mamãe.

Por perto, seus filhos e filhas lançavam ataques no dragão. Martelavam magias e usavam suas Skills, o dragão não tinha tido a chance de fazer qualquer coisa.

Olhando a cena, Zenoire fechou seu leque vermelho, e o apontou para o dragão. Rugindo, ele tentava abrir suas asas e lançar para longe todos aqueles escalando e se grudando nele.

Assim tentava o Dragão Lenda, mas encontrava-se selado em um octaedro semitransparente. Essa era a Skill da Zenoire.

— Que barulheira. Não dá pra ficar quieto um pouco?

Dentro daquele octaedro, o Dragão Lenda foi repentinamente engolido em fogo. Vendo dragão queimando no interior, o Sétimo berrou:

— Oooyyy!! Não vamos empalhar ele!!? Pelo menos explodam ele por dentro!

Parece que ele não permitiria que a superfície fosse queimada. Mas havia alguém incomodada com o interior ser explodido.

A esposa do Primeiro.

— Não vem com essa! Se bagunçar o interior, vai ser um inferno pra cozinhar! Querido!

A esposa do Primeiro olhou para seu marido para poder cozinhar o dragão. Ela provavelmente queria que ele o obtivesse em boas condições. O Primeiro endireitou suas costas.

— S-sim! … Eh? Aquela coisa é comestível? Claramente não parece ter gosto bom. É todo brilhante. Brilhante. Minha intuição tá me dizendo que vai ter gosto horrível…

— Você não vai saber se não tentar! Só dá uma mordida e vê!

Você vai testar em mim!?

Ele berrou enquanto segurava sua espada.

Um dragão dourado. Seus chifres eram vermelho sangue. Se fosse para dizer, não parecia muito gostoso.

A esposa do Quarto, para a do Primeiro.

— É óbvio que vamos vender o interior! Carne de dragão definitivamente vai dar uma fortuna! Então é pra preservar inteiro! Por que você está tentando comê-lo!?

O Dragão Lenda, livre de sua prisão octaedro, caiu de quatro, soltando respirações dolorosas. Sua superfície queimada se regenerava.

A esposa do Segundo acelerou a velocidade de seus anéis giratórios enquanto olhava para a fera.

— Essa coisa provavelmente pode crescer de volta as asas e chifres se sentir vontade. O rabo também.

Os olhos de todos se reuniram no dragão.

Em volta…

— Os chifres são meus!
— Cauda! Pega a cauda! Tenho certeza que vai ser deliciosa!
— Você tem que pegar as asas!

Os membros da Casa Walt estavam fixados naquele dragão. Abandonando completamente o Lyle, eles devotavam todo o seu tempo e esforço à fera. Apesar das coisas não estarem indo como ela esperava, o objetivo da Novem tinha sido completamente realizado…

Merda! Eles estão todos se focando no dragão e me ignorando!

O grupo fazendo bagunça um pouco afastados me irritava, mas como imaginado, a Novem, que estava na minha frente, era meu próprio problema.

Eu tenho que fazer algo a respeito disso sozinho.

Mas…

— Quando não tenho uma arma, isso vai ser duro.

Sem fôlego, evitei um balanço da foice da Novem. Quando atingiu uma parte dos escombros, eles foram cortados facilmente. A parte cortada foi deixada em um belo estado liso.

Não havia dúvida nenhuma que um corte daquilo se provaria fatal. Frente à Novem, algo como armadura seria igual a papel. Não, talvez menos que papel.

Enquanto eu corria para remover minha pesada armadura de metal, Aria e as outras enfrentavam a subespécie de Dragão Terrestre que estava por perto. Para Aria, era um inimigo que não combinava com ela, e elas estavam com bastante dificuldade.

Duvido que qualquer um de nós iria em auxílio dos outros.

A Novem me perseguia.

— Descartar seus protetores foi uma boa decisão, mas está criando aberturas demais. Se me dissesse para esperar, eu teria esperado.

Eu honestamente considerei dizer: “Se é assim, tem como me dar um momento?” Mas estava realmente tudo bem dizer isso? Ela ficaria zangada?

Mas eu meio que não queria fazer um pedido desses.

— Você está mostrando relaxamento demais!

Quando joguei um pedaço considerável de entulho nela, ela o cortou sem a menor queda em velocidade. Peguei outro e joguei.

— De novo…?

Ela o cortou de novo. Mas dentro havia uma das ferramentas que eu carregava, e quando aquele tubo foi cortado, ele soltou um pouco de fumaça irritante.

Era uma tela de fumaça.

— Há, te peguei~.

Novem instantaneamente escapou da fumaça, e desceu sua foice sobre mim. Sua mira estava sutilmente desviada dos meus pontos vitais. Mas ainda assim, a foice penetrou profundamente. Vendo isso, Novem deu um sorriso.

— … Maravilhoso, Lyle-sama.

Quando minha ilusão desapareceu, Novem virou seu rosto para onde eu estava me escondendo. Eu tinha mostrado a ela uma ilusão através da Skill do Terceiro, mas isso sequer tinha ganhado tempo para mim.

Eu queria recuperar uma arma de algum lugar, mas não havia nada que servisse de arma em volta. Mesmo se eu pegasse alguma espada descartada, seria facilmente cortada diante da foice da Novem.

Melhor eu imitar a investida dela e me esquivar para acertar um golpe? Mas tenho a sensação de que uma arma normal não seria capaz de arranhá-la.

Minha respiração estava ficando terrivelmente bagunçada. Me vendo assim, Novem subiu flutuando levemente dos escombros espalhados, esperando por mim.

— O que você está tentando fazer?

— Fufufu, parece que eu também fiquei cansada, então estou descansando.

Vendo-a rir, murmurei internamente: “mas que papo furado”. Nem uma única gota de suor, a respiração dela estava em perfeita harmonia, ela estava claramente esperando eu terminar minhas preparações. Ela estava rindo. Como ela era capaz de rir assim quando estava esperando pela própria morte?

Agarrei a Joia.

Desde quanto tempo atrás… essa ação tinha se tornado um hábito? Quando a apartava, tinha começado a acreditar que conselhos certamente viriam.

Atualmente, enxameando o dragão que estava por perto, sem qualquer atenção para mim, estavam meus ancestrais e seus alegres amigos… Eu queria falar para eles serem um pouco mais úteis.

Novem olhou para mim.

— Parece que a ajuda não estará vindo. Eles estão todos… se divertindo bastante.

Apesar de haver uma leve pausa em suas palavras, as coisas estavam indo de acordo com os seus planos. Sem qualquer incômodo, ela testava minha habilidade enquanto se deixava ser morta por mim.

Lamentavelmente, eu não conseguia pensar em qualquer solução revolucionária. Se as coisas seriam assim, meu eu pós-Crescimento e em alta tensão teria sido melhor para a tarefa? Eu sozinho realmente não sou o bastante?

Apertei a Joia com força. Seus ornamentos de prata tinham se reduzido consideravelmente. Comecei a estabilizar minha respiração enquanto me resolvia.

Nisso:

『Você realmente não presta. Aff, por que você sempre fica tão negativo? Por que não acredita em seu próprio eu forte um pouco mais?』

Eu escutei uma voz. Uma voz jovem… a voz do LYLE que tinha desaparecido.

— Não pode ser.

Os olhos da Novem se cerraram. Ela parecia irritada.

— … Então eu apareci de novo. Mesmo assim, para você ser minha oponente.

Quando uma luz azul apareceu na minha frente, aquele na forma dos meus dez anos, 『LYLE』, apareceu. Sua mão agarrava o valioso sabre que eu tinha recebido em meu aniversário.

Com isso em mãos, LYLE se pôs na frente da Novem. E dando uma risada, ele falou.

— Não tenho certeza do que falar sobre você, Novem. Até eu tô brochando aqui. Se proclamando como mãe de todos, e dizendo que o Lyle será completado se matasse você, que distorcida você é.

Diante do sorriso do LYLE, Novem balançou sua foice.

— Eu peço que você não entre no meu caminho. Para mim, quem eu priorizo não é você, mas o Lyle real atrás de você…!

Com seu sabre, ele aparou a foice, acertando um chute. Vendo essa cena, não pude esconder minha própria surpresa.

— Espera, você consegue derrotar ela!?

Em resposta às minhas palavras, LYLE se virou para mim enquanto evitava o balançar dela.

— Hah? Não seja tolo. Isso é definitivamente impossível. Minhas especificações estão fixadas em dez anos de idade, e eu sou apenas sua memória de mim. O que eu posso fazer é ganhar algum tempo. E essa era minha intenção desde o começo.

Ele tinha vindo para ganhar tempo. Mas o que estava tentando fazer? Nisso, enquanto enfrentava a Novem, LYLE falou:

— … O que é que você está agarrando aí? Abra seu campo de visão um pouco mais. E acredite em si mesmo. A razão de você poder exibir seu poder em seu estado de pós-Crescimento é definitivamente porque você acredita em si mesmo. Atualmente, você desistiu em algum lugar no seu coração.

Com as palavras do LYLE, o rosto da Celes flutuou na minha mente. Por pensar que eu definitivamente não conseguiria vencer sozinho, eu tinha derrotado a Celes ganhando aliados. Isso porque eu tinha aceitado que eu sozinho não seria capaz de vencer…

Novem lançou um corte no LYLE.

— … Não entre no caminho!

Sacrificando sua mão esquerda, LYLE acertou uma magia nela. Apesar dele não sangrar, seu braço esquerdo virou grãos de luz azul, desaparecendo como se soprado pelo vento.

Usando a explosão mágica, LYLE se impulsionou para minha frente, e se virou para mim.

— Você tem possibilidades em você. E estão bem nas suas mãos. Tente recordar… as armas dos ancestrais todas têm suas características, não é? As armas em que eles se especializam, refletindo suas próprias características. Sumarizando…

Nisso, uma linha atravessou o corpo do LYLE. O corte da foice da Novem traçou uma linha por ele.

Enquanto o LYLE desaparecia, ele olhou para mim.

— Você ativou sua Skill de Terceiro Estágio. Lyle, você tem as qualificações. Agora, deseje por isso. Se o fizer, a Joia certamente responderá…

Ele desapareceu em grãos de luz. Ele tinha aparecido na minha frente só para dizer isso.

— Por que você tem que ser tão intrometido?

Quando agarrei a Joia, a Novem pareceu um pouco impaciente. Talvez ela não quisesse que quaisquer irregularidades mais ocorressem.

— Lyle, vamos resolver…

Nisso, mais três luzes emergiram. Aqueles que saltaram eram o time de três que tinha se dado bem conosco quando ainda estávamos em Daliem, Rondo, Rachel e Rahu. Os três mortos pela Celes.

— Eu não vou deixar!
— Novem, já chega disso!
— Ei, aqui vou eu!

Os três lançaram ataques na Novem. Mas esses três, do ponto de vista da Novem, não eram nada mais que fracotes no meio de formigas. Eles tinham perdido suas vidas antes de poderem ficar fortes.

—  Por que vocês estão aqui!?

Rahu-san riu enquanto era cortado pela Novem.

— … Idiota, por que a gente quer se destacar. Queríamos ter uma aventura própria…

No retorno da foice, Rachel-san também foi abatida.

— Lyle, nossos sonhos foram deixados inacabados a meio caminho. Então se está vivo…

Rachel-san desapareceu. E o Rondo-san foi bifurcado, com espada e tudo.

— … Se você ainda está vivo, então não desista. Isso é tudo o que eu queria dizer.

Nós éramos conhecidos. Não, amigos. Os amigos que fiz após ir ao mundo foram cortados pela Novem tão facilmente.

Apertei a Joia ainda mais forte.

— Nada além de incômodos. Mas não mais.

Novem olhou para mim. A luz azul da Joia se fortalece, seus ornamentos prateados atendendo às minhas orações e mudando sua forma. Uma ondulação corria por sua curvatura prateada. Sua bela lâmina era quase como um espelho. Com a Joia embutida em seu cabo, minha katana de prata mostrou sua forma.

E ainda mais curta que aquela em minha mão direita, uma segunda, com metade de seu tamanho, manifestou-se junto a ela.

— Entendo. Então é esse o tipo de arma que ela é.

Quando a Novem me lançou um corte, as armas de prata se encontraram.

— … Parece que você pôs as mãos em uma boa arma. Estou alegre. Agora me corte com essa lâmina, Lyle!

Arreganhei um sorriso.

— Então acho que terei que atender ao seu pedido.

Balancei as espadas em minhas mãos. Pesadas, e a sensação que davam quando eu as segurava. Tudo combinava com o meu estilo, fazendo-as extremamente fáceis de se balançar. Quando dei um corte nela consecutivamente com minhas duas lâminas, Novem deu a volta para se defender.

Preciso ir mais rápido!

— Kuh!

Novem ficou incapaz de lidar com sua foice. Eu pulei. Quando me movi sobre a Novem, girei para ganhar velocidade. Olhando para ela enquanto tentava se esquivar, joguei a espada curta em minha mão esquerda.

A espada foi desviada. Mas no instante seguinte, eu estava agarrando a espada desviada em minha mão.

Ao lado da Novem, isso é.

— Apesar do ruído ser terrível, posso usar as Skills até certo ponto.

Com a katana, dei um corte nas costas da Novem… um corte diagonal vindo de sua nuca. Pude sentir a lâmina passar profundamente pelo seu corpo.

Novem riu.

— Esplêndido. Então amplificar suas Skills é a propriedade dessa arma. É uma arma maravilhosa muito adequada para você, Lyle-sama.

Novem riu, mas eu ri junto. Uma arma para usar Skills… certamente, era uma arma para mim, que tinha chegado até aqui dependendo das Skills dos meus ancestrais.

Mas quem disse que isso era tudo.

— Que pena, Novem… o que eu cortei foi…

Novem arregalou seus olhos e se distanciou um pouco de mim. Quando ela se moveu em um instante, ela tocou seu próprio corpo para confirmar.

Quando ela deveria ter sido cortada, não havia traço nenhum disso.

— Não pode ser. Eu configurei meu corpo para não regenerar… e tenho certeza que…

— É, você foi cortada.

Balancei minhas duas katanas para o lado, me posicionando.

— A deusa, e deusa maligna, Novem, foi cortada.

Quando virei as lâminas para ela, ela fez uma expressão como se dissesse não acreditar nisso. Minha arma de prata… as duas katanas apenas cortavam o que eu queria cortar. O auxílio das Skills não era nada mais que um bônus extra.

— Eu vou cortar tudo, arrancar tudo, e… Novem, eu vou te deixar nua.

Novem me encarou enquanto dava um corte. Parece que ela estava tentando destruir minhas armas.

Mas sabendo o objetivo dela, o resto era fácil. Previ a trajetória de sua foice, e cortei ela de novo.

Internamente, eu berrava: Eu posso fazer isso… se for eu, eu posso fazer isso. Eu posso salvar a Novem. Se for eu… porque sou eu, eu posso.

Exatamente como quando minha tensão estava alta, eu tinha que acreditar em mim. Para exibir meus poderes aos limites máximos. Para isso, primeiro…

— Qual o problema? Esse é o segundo. Se for se deixar ser cortada assim, vai acabar pelada rapidinho.

… tentei atiçar ela.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.


Anterior | Próximo

6 ideias sobre “Sevens 339

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s