LOS – Capítulo 32

Anterior | Próximo


Capítulo 32:

~Há Beleza na Morte~

 


 

“A primeira magia não foi usada por amor. Foi usada em raiva”

— Uma Memória dos Antigos

 


***Atlantis***

***Sely***

 

Emil sacode sua cabeça: — Você não tem direito nenhum de exigir um duelo!

Eu puxo a manga do Magnus para contê-lo: — O que você está fazendo? Está doido!? — Eu não quero que ele lute um duelo. Ele pode morrer! E então serei eu quem terá que dizer a nossa criança que ele morreu em um estúpido, e evitável, duelo. Não é como se Emil tenha qualquer direito a mim quando a verdade for estabelecida como fato. A maioria dos clãs irá desdenhar dele e nós podemos simplesmente voltar ao nosso território.

Tina agarra meu braço para me segurar: — Se não fizermos isso, então sempre haverá dúvida. Emil poderá voltar se algo acontecer ao Magnus.

Silvo para minha tia: — Então eu lido com ele pessoalmente. Isso é problema meu. Não há necessidade nenhuma de arriscar o Magnus.

Magnus bufa e se solta.

— Não se preocupe comigo. E mesmo se ele me derrotar não terá nenhuma reinvindicação sobre você. Você já é uma Bathomeus e a mãe do próximo chefe do clã. Isso te faz a chefe do clã caso algo aconteça comigo.

E se eu for chefe do Clã Bathomeus, então não posso ser casado a alguém de fora do clã. O casamento com o Emil seria anulado. Magnus deveria virar um advogado.

— E essa situação seria absolutamente inútil para mim, porque você estaria morto!

O ancião dentro da arena coça sua cabeça e então corre seus dedos pelo queixo. — Eu escutei sobre todo o incidente com os Hammons. A situação é bagunçada e parece com um daqueles casos legais dos humanos. Duvido que nossas leis antigas tenham alguma vez previsto uma situação dessas. A fêmea deveria pertencer aos Baucheaux, mas eles a adquiriram através de meios desonrosos. Então os Bathomeus a receberam e foram atacados. Para evitar uma perda de reputação… Hmmm.

Ele olha ao alto para os púlpitos: — Eu digo que a cerimônia de casamento é legal. A fêmea poderia ter dito “não”. Se ela estava de mente sã, então suas palavras são vinculativas. Mas também há a questão da invasão ilegal e ataque a outro clã. Então os Bathomeus estão certos em exigir compensação. Digo que o desafio foi declarado de acordo com nossas leis. Baucheaux? Irá defender sua honra, ou está disposto a pagar o preço para ser perdoado?

A cabeça de Brannan fica tão vermelha quanto um tomate. Ele se vira e agarra seu filho pela jaqueta. Então o lança na arena como se estivesse alimentando algo aos cães. — Ele a quer, então terá que lutar por ela!

Emil aterrissa de barrigada, o que gera risos nos ranques da audiência.

Magnus põe uma mão na balaustrada e a salta.

Estapeio a mão de Tina para longe, mas sou esperta o bastante para não segui-lo. Se eu interferir na frente dos outros clãs, então toda essa farsa poderá se voltar contra nós.

 

***Atlantis***

***Magnus***

 

Aterrisso no solo arenoso e o ancião corre para fora do caminho. Emil já está se aproximando de mim. Sua face é uma máscara de raiva. Eu pagaria muito dinheiro para saber por que ele está com raiva. É a perda de seus capachos? Não. É mais provável ser porque seu pai ficou ciente de suas maquinações. Emil deve ter puxado alguns fios para o Gavin sem a autorização de Brennan. Mesmo se o Emil vencer essa, provavelmente ainda não haverá uma escapatória para ele. Seu pai estará ansioso para descobrir o que aconteceu.

Enquanto Emil se aproxima, percebo que ele é bem maior que eu. Tipo, duas cabeças maior! Ele não parecia tão grande na projeção.

Puxo minha pistola e miro em sua cabeça. Emil nem mesmo se incomoda em reagir enquanto a bala colide com sua testa e é desviada para o lado. Pele de pedra. Simples, mas efetivo contra todas as formas de ataques físicos.

Todo o coliseu começa a rir como se eu houvesse feito algo engraçado. Resmungo, com raiva por eles estarem me desconsiderando tão facilmente: — Desculpe por conservar minha energia. Ninguém disse que armas humanas eram proibidas.

Eu viro o seletor na pistola, alternando-a para o modo automático. Finalmente o espirro de balas resultante causou uma reação no lado do Emil. Eu o acerto no peito, fazendo-o parar seu avanço por um momento. Ele se recompõe e continua avante.

Jogo a pistola vazia nele, acertando seu peito. Então circulo para o lado, me perguntando o que ele está tramando. Mas o Emil continua encurtando a distância. Ele é o mesmo que eu e se foca apenas na defesa?

Minha pergunta é respondida quando sinto uma surgência de magia dele. Ele se embaça, movendo-se em velocidade incrível. Seu punho colide com meu peito como um caminhão e sou lançado para trás. O mundo tomba. Ou sou eu quem está tombando? Eu devo ter apagado por um segundo, porque me encontrei liso de costas quando abri meus olhos.

A audiência está rindo de novo, mas eles param quando me sento e levanto. Parece que eles não esperavam que eu estivesse vivo. Abano minhas roupas e cutuco meu peito hesitantemente com um dedo. É, definitivamente quebradas. Então percebo que uma costela está saindo do meu lado, manchando o terno com sangue.

— Merda! Tinha acabado de curar depois de lutar com a Marlene. — Eu cuidadosamente a empurro de volta e canalizo magia através do meu peito para aumentar a velocidade de cura.

Emil me socou para o outro lado da arena e está agora se aproximando de novo, caminhando como se não houvesse pressa: — Mas que porra é você? Nunca encontrei ninguém que simplesmente se levantou após levar um desses socos. Normalmente, eles apenas caem no chão e se contorcem.

É, a maioria das pessoas faria isso. Fico feliz que sempre estou canalizando um pouco de poder através de meu sistema. Do contrário, não poderia ter recebido um soco desses. Meu corpo simplesmente seria separado em duas partes. Eu tusso para checar se meu pulmão foi empalado, mas não há sangue em minha boca.

— Já tive piores. Isso não é nada mais que um arranhão. — Sorrio para ele e canalizo mais poder através de meu corpo.

Dessa vez reconheço a surgência de poder e começo a desviar de lado antes dele ativar o feitiço. Seu punho atravessa ar vazio. Rodopiando, chuto o oco de seu joelho. Emil grunhe e quase cai, mas se recupera. Mas caiu a um joelho, todavia.

Seguindo com meu plano, estapeio sua orelha e solto magia de força. Não estou nem tentando socar através de seu feitiço de pele de pedra, mas estourar seu tímpano deve ser fácil. Uivando, ele balança seu braço e salto para trás. Seus métodos podem ser brutos, mas um golpe foi mais que o bastante para mim.

— Eu vou te pegar por isso! Você e aquela puta! — Emil se põe de pé de novo, e balança. Sangue está saindo de sua orelha, então meu ataque teve sucesso. Seu sentido de audição, assim como seu balanço, deve ter sido afetado.

Emil levanta sua mão e conjura uma bola de fogo.

— Vou arrancar sua prole da barriga dela e tomá-la como minha! — Ele mira em mim, soltando uma torrente de chamas.

Ele não fará nada! O mero pensamento dele ferindo a Sely e a criança faz meu sangue ferver. Sinto a bruma vermelha se aproximando em minha visão e corro através das chamas, uivando como um animal! Minhas barreiras disparam e desviam a maior parte do calor. Uma parte da minha face é queimada, mas não me importa. Dói menos que os ferros quentes do meu primo.

Então a atravesso e salto. Levantando meu joelho, o coloco diretamente em seu queixo, encerrando seu grito. A força de minha investida me carrega para frente, então me grudo em sua cabeça como um esquilo enlouquecido.

Meu polegar aterrissa em algo mole, então enfio meu polegar dentro e torço.

De algum modo, Emil consegue pôr as mãos e me joga. Rolo duas vezes antes de enfiar a mão no solo e corrigir minha queda para aterrissar de pé. Em minha outra mão está a orelha de Emil. Em minha raiva, não percebi em que havia posto as mãos, mas era macio, então imaginei que arrancar deveria doer.

Emil tenteia sua cabeça, procurando por sua orelha sumida. Quando percebe que eu a tenho, ele berra: — Irei te mostrar o que é realmente doloroso! — Resmungando um encantamento, ele lança algumas gotículas de sangue em minha direção.

Reconhecendo a magia de sangue, levanto ambas as mãos e uso magia de força para invocar uma poderosa lufada de vento, espalhando as gotículas ainda mais. O sangue é carregado de volta para Emil e mesmo ele saltando para trás, não reagiu a tempo. Devido à vasta difusão das gotículas ele não foi capaz de evitar nada. Ele uiva quando seu próprio feitiço o acerta. Fervendo, seu sangue age como ácido e devora enormes buracos em sua perna esquerda. Mas ele recebeu a maior parte no braço que usou para proteger sua face.

Como se fosse um líquido, seu braço se dissolve e é derramado no chão em meros segundos. Parece bastante com o que acontece quando alguém derrama acetona sobre isopor. Começo a rir um pouco quando percebo que Emil perdeu a luta por causa de sua própria estupidez.

Ele despeja todo seu poder em magia de cura. Isso impede o sangue e maior dissolução, mas curar tanto dano leva tempo.

Imaginando que seu feitiço de pele de pedra deve ter passado, reúno boa parte de meu poder e jogo nele em uma bola de força concentrada. Emil é tirado do chão, e gira duas vezes no ar antes de aterrissar bruscamente no chão.

Como todo bom monstro, ele se levanta. Ele é estúpido demais para morrer: — Eu não morrerei assim. Não foi por isso que trabalhei!

— E por que razão você trabalhou? — Me aproximo dele cuidadosamente e ponho a mão em meu bolso para retirar um cartão muito especial. A matriz de feitiços dentro dele é um golpe final, desenhado para garantir que o alvo não volte para me assombrar. E eu quero me exibir. Não é todo dia que duelo na frente de outros.

— Isso é entre Gavin e eu. Eu fiz um juramento então você nunca saberá. — Ele levanta sua mão, porém sou mais rápido. Instilo a matriz de feitiço dentro do cartão com poder e o jogo nele com uma pequena magia de força como guia. A borda da carta se enterra em seu peito.

— Então de que utilidade você me é? — resmungo.

Emil abre sua boca para berrar, mas nada sai. Nada, exceto por um cristal de gelo vermelho. Ele brilha em luz vermelha, usando o próprio poder de Emil para crescer. Com suas defesas enfraquecidas, ele não foi capaz de impedir a magia estrangeira de invadir seu sistema.

Observo enquanto o cristal de gelo cresce, usando seus próprios fluidos corporais como combustível. Ele se dispersa como um belo floco de neve. Partes dele estouram do peito de Emil e de seu olho, quebrando o crânio e outros ossos no processo. O som me lembra do gelo quebrando no lago da minha própria cidade quando está especialmente frio. Quando a camada de gelo no lago cresce mais rápido do que pode suportar, a tensão a faz se quebrar. Isso cria um som muito distinto.

A uma altura de dois metros, o floco de neve para de crescer. Sem o corpo de Emil, não há fluidos o bastante para maior crescimento. Os restos de Emil se tornaram um casco seco.

Me viro para a audiência: — Ninguém está rindo? Qual é! Essa é a melhor parte do show! — As pessoas em seus púlpitos estão imóveis e em silêncio. Ninguém fala.

O ancião retorna de sua posição segura e se posiciona nas bordas da arena. Ele cutuca o cadáver de Emil, só para vê-lo desmoronar em pó sob seus dedos.

— Declaro Magnus como vencedor. Os Bathomeus receberão todas as posses de Emil, incluindo a fêmea.

 

***Atlantis***

***Sely***

 

Suspiro de alívio e jogo meus braços em volta do Magnus quando ele retorna ao púlpito. Ele estremece e tentar me afastar: — Está tudo bem. Eu venci. Só não me aperta. Isso dói! Você vai arruinar seu vestido.

Relembrando o que ele fez sem meu consentimento, aperto mais forte e o forço a descer ao seu assento. — Eu te disse para não ir, seu imbecil! E olha pra você! Um bife queimado está em um estado melhor de saúde.

— Um bife queimado está morto! — Ele cruza seus braços na frente de seu peito como uma criança rebelde. — Eu venci. Agora não há disputa nenhuma e criei uma reputação própria. Cadê o Brennan por falar nisso?

Me viro para checar o púlpito no outro lado da arena. — Ele saiu assim que Emil perdeu.

Tina dá um risinho: — É. Você realmente nos fez esperar até usar o berserker. Eu só encontrei três pessoas capazes de usar esse feitiço sem endoidar. Mas você retornou e até ficou semi são, mesmo enquanto a raiva sangrenta te afetava.

Ele parece confuso.

— O que é berserker?

Ela tosse: — Está de brincadeira, não está? Você usou o feitiço berserker e nem sabe o que ele faz?

Olho para Tina enquanto invoco um feitiço de cura no Magnus. — Você quer dizer a energia vermelha que cercou ele? Já vi ele fazendo isso duas vezes até agora.

— Ah, é disso que você está falando! Eu sempre fico assim quando estou nervoso. Mas não é problema nenhum. Mesmo se eu perder a cabeça completamente, sempre volto quando fico sem força — explica o Magnus, casualmente.

Tina cerra seus olhos para o Magnus. — Você quer me dizer que está usando um dos feitiços de combate a curta distância mais perigosos por instinto? Você não tem ideia do que ele faz, ou o quão perigoso ele é? Tá de palhaçada comigo!?

Eu tento sorrir. Agora estou preocupada de novo.

— Por que é tão perigoso?

— Oh, ele simplesmente ativa vários feitiços de aprimoramento corporal de uma vez. Tantos que a mente do usuário fica sobrecarregada e retorna a um estado primeval. É como aprimoramento corporal com esteroides. O criador do feitiço o designou como um última aposta de “tudo ou nada”. Para a maioria das pessoas, não é nada mais que um feitiço kamikaze por eles não encontrarem o caminho de volta. Você realmente quer me dizer que não está invocando o feitiço conscientemente?

Magnus sacode sua cabeça: Estou certo disso. Eu não invoco o feitiço.

Ela suspira: — Então está usando ele instintivamente. Isso é muito próximo de magia selvagem. Sugiro que aprenda o feitiço real tão rápido quanto possível.


 

Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

 


Tradução: Batata Yacon   | Revisor: Delongas


Anterior | Próximo

6 ideias sobre “LOS – Capítulo 32

  1. Alex

    Acho que sexta e bom mais sobre o cap eu jurava que isso fosse uma espécie de estado mental próprio da espécie deles já que ele usa com certa frequência sempre que fica com raiva

    Curtido por 1 pessoa

    Resposta
    1. Batata Yacon Autor do post

      No começo eu também achava isso, mas parando pra pensar, ele não teria sobrevivido a muita coisa se os inimigos também pudessem entrar nesse estado.

      Curtido por 1 pessoa

      Resposta
  2. algumapalavra

    Um quarta um quinta e um sexta? Seria perfeito ❤
    Porém deve dar um imenso trabalho traduzir, fico feliz com a quantidade que o querido sênior puder disponibilizar para seus humildes discípulos.

    Curtir

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s