LOS – Capítulo 05

Anterior | Próximo


Capítulo 05:

~Visitantes~

 


 

“Rasgue e dilacere. Então raspe e desfigure. Por último, você costura e veste. Os outros cordeiros não te reconhecerão.”

— Uma memória dos antigos.

 


***Caríntia***

***Eva***

 

“Eu só quero cuidar de você. Você é família afinal de contas. Por que você não entende que eu só tenho o seu melhor interesse no coração. E eu estou te dizendo que ir para aquele clube a essa hora não é seguro.” Me sento em um banco e cruzo as pernas.

Minha vigésima neta de décima segunda geração ajusta os óculos em seu nariz e olha para mim como se eu fosse uma mentirosa. “Eu não entendo o que pode ser tão perigoso sobre se encontrar com meu clube do livro na biblioteca. Todos nós somos amigos e apenas discutimos nossos livros favoritos.”

Eu rolo meus olhos. Isso é exatamente o que é perigoso sobre esses clubes. Antes que perceba, você está com uns 50 anos sem ter dado nem mesmo uma única vez. “Ok, vá. Mas considere essa oferta. Quando você e seus amigos tiverem terminado, convide todos eles para casa e nós podemos ter uma festa agradável e eu posso dar uma olhada naquele garoto que você está de o-”

“Nunca!” Seus olhos piscaram por causa da luz Neon da red Eve, sua expressão horrorizada. “Eu morreria de vergonha se eles soubessem onde eu moro!”

“Em uma casa enorme com um andar inteiro só para você?” Estou pasma. Nós vampiros paparicamos nossos neófitos. A maioria deles nunca têm que trabalhar a menos que queiram. Eles são os reprodutores e nós somos os protetores. Nunca passou pela minha mente que os aposentos da Angelika são medíocre. Eu perdi alguma coisa a respeito das condições de vida médias deste século? Não seria a primeira vez.

“Nãoo… é um bordel!” Angelika bufa.

Eu brinco com meu cabelo e levanto meus seios para incomodá-la. Eu sei que ela não gosta de roupas indecentes. Ela é sempre tão modesta e recatada com as roupas. Nem uma polegada de pele visível desnecessariamente. E deus me livre se a silhueta dela aparecer. “Eu gosto pensar nisto como um tíquete de bem-estar. Nós recebemos apenas clientes de alta classe e vendemos bons momentos ao invés de puro sexo. Não compare o negócio da nossa família com um daqueles estabelecimentos.” E o pagamento também é melhor.

“Posso ir agora, vovó? Ou há algum sentido nesta discussão?” Ela se endireita e eu posso dizer que ela está se preparando para partir.

“Se você está realmente tão inflexível sobre isso, então eu não vou ficar no seu caminho.” Me resignando ao destino, eu suspiro e estendo um pacote de camisinhas. “Leve essas pelo menos. Nunca se pode saber se algum daqueles seus amigos kosher pode acabar fazendo algum avanço afinal de contas. Eu quero que você esteja preparada, se for o que você quer.”

Ela bufa e se espreita para longe, em direção a parada de ônibus já que a biblioteca fica no centro. É só uma viagem de dez minutos. “Eu aposto que você furou todas elas com uma agulha!”

Eu estalo minha língua enquanto o guardião da Angelika flutua para perto, ficando nas sombras. Como ela sabia? Eu abri elas com um estilete, e colei os pacotes de volta cuidadosamente. Não tem como ela ter percebido. “Siga ela e garanta que fique em segurança. E largue algumas pílulas azuis na bebida do garoto.” Eu largo as camisinhas numa lixeira próxima. Se eu posso ter certeza de uma coisa, então é das ações de um jovem com uma ereção.

A sombra assente e se apressa rua abaixo, seguindo o ônibus. Eu fico no meu posto, protegendo o ninho.

Leva vários minutos até que algo novo acontece. Duas fêmeas entram na área do estacionamento, o que não é uma surpresa já que nós fornecemos serviços a ambos os sexos. O aspecto surpreendente é que eu não conheço elas, e eu conheço cada um dos nossos clientes regulares. Além disso, uma delas parece jovem demais. Há certas restrições nesta época, o que não significa que eu as aprove.

A mais velha das duas tem um cabelo negro como um corvo e aparência como se estivesse em seus vinte. O rosto simétrico e lábios vermelhos parecem um pouco cansados. A constituição dela rivaliza até mesmo a minha, o que desperta o desejo de seduzi-la. Eu não sou nenhuma puritana e uma bela mulher é simplesmente tão boa quanto um homem forte.

A garota ao lado dela tem uns quinze, talvez dezesseis? Seus cabelos não são tão escuros e as pontas estão mais pro lado castanho, mas ao comparar suas faces eu posso dizer que elas têm relação.

Eu cerro os olhos, as estudando mais. Elas estão se aproximando de um local de status questionável, ainda assim os passos da mulher mais velha são firmes e seguros. A garota pode ser insegura, mas seus movimentos são calculados, enquanto se certifica que a mulher esteja sempre entre eu e ela.

“Você é a Eva?” A mulher se dirige a mim a alguns pés de distância.

Eu sorrio: “Em carne. Como posso lhe ajudar?”

“Nos foi dito que você pode providenciar um local seguro?” A mulher pergunta. Um carro se vira na esquina, nos banhando em luz. A cabeça dela se move em direção ao veículo que passa pelo meu estabelecimento e continua pela rua. Isso é o que a entrega.

O movimento não foi totalmente humano. Oh, é claro. Nenhum humano teria notado a diferença. Mas eu já tive um monte de tempo para aprender as sutilezas de outros sobrenaturais. Entre todas as raças de sobrenaturais, os Antigos têm a maior dificuldade em esconder suas naturezas. Eu tenho a teoria de que é porque seus corpos humanos são apenas um disfarce. Eles vestem seus corpos como uma roupa.

Eles respiram mais devagar que humanos e se movem mais como cobras quando acham que não estão sendo observados. Algumas vezes eles se esquecem completamente de se mover quando estão pensando sobre algo. Eles ficam completamente imóveis, pesando suas opções. Nenhuma outra raça consegue fazer isso. Há sempre algo que se move, só porque humanos respiram constantemente.

“É claro que posso. Tudo que eu preciso é algum método de identificação e compensação o suficiente pelos meus esforços.” Eu deslizo um pouco mais do meu banco para que seja mais fácil pular em caso de um ataque. A presença dessas duas soletra infortúnio. Eu não tenho certeza do que está acontecendo entre o lorde e outros membros da raça dele. Nos oitenta anos desde que o resto do clã dele desapareceu, ele nunca permitiu ninguém mais de sua raça dentro de seu território.

É normal para cada clã de antigos proteger seus territórios com um Véu. Esse escudo de energia diz a eles quando um de sua espécie viola seus territórios e ignora outras raças. Se bem que pelas palavras do lorde, eu assumo que ele poderia selar todo o território se quisesse. Eu ouvi que os vários clãs frequentemente têm lutas uns com os outros, mas esta área foi basicamente deixada em paz por alguma razão.

A mulher põe a mão na bolsa ao seu lado e puxa uma gorda bolada de notas de cem, então a joga no meu colo. “Nós podemos te compensar, mas você não tem direito de fazer perguntas.”

Eu mantenho o sorriso emplastrado em minha face e olho para o dinheiro, e então para ela. “Parece que você não entendeu. Isso não é sobre dinheiro, é sobre quem você é.” Ela para de se mover e a garota dá um passo para trás. Oh, isso não é bom. “Antes que faça qualquer coisa, você pode querer considerar o meu lado da situação? E há outros aqui, então você não vai sair ilesa se me atacar.”

Seus olhos fazem uma busca nas janelas do meu estabelecimento e então nas sombras. “Fale.”

“Nosso Lorde, o Antigo que possui este território, tem uma personalidade muito desagradável. Ele tende a punir pessoas matando seus parentes primeiro. Há esse tema de ‘punir um ao punir todos’ rolando. Eu tenho uma boa relação com ele e não quero arriscar isso ao ajudar vocês duas. Mas eu também não quero vocês como inimigas.” Eu preferiria não ter Antigos como inimigos. Nem mesmo um.

“Eu posso te dar abrigo, mas eu também terei que informar ele ao mesmo tempo. E nós teremos que dizer a ele que você veio para cá. Você terá que me perdoar, mas eu não tenho ideia do que está acontecendo entre vocês Antigos. E eu preferiria não ser envolvida se vocês entrarem em conflito uns com os outros.”

A mulher me estuda, seus olhos vagando pelo meu corpo. E apenas seus olhos. A garota é menos arrepiante no modo em que ela fica vigiando a rua.

“Quanto tempo levará até ele reagir?” Ela pergunta por fim.

“Eu não sei? Embora ele raramente cheque seus e-mails. Estou bem certa de que vocês têm até amanhã.” Na verdade eu não estou nenhum pouco certa. Ele estava bem irritável quando o vi pela última vez. Mas seria legal se ele pegasse uma de vocês. Bem, ele pode não curtir a garota, mas você certamente é do tipo dele. Eu acho que ele precisa de uma mulher. E aí está você.

Eu sabiamente mantenho minha boca calada ao invés de expressar esses pensamentos em voz alta.

A garota puxa a manga da mulher. “Estou cansada.” Ela não parece menos cansada que a mulher.

A mulher olha para a garota e retorna sua atenção à mim. “Para onde nós temos que ir? Eu sou Sely Hammon e esta é minha irmãzinha, Annia Hammon.”

Eu me levanto do meu assento, deslizando o dinheiro em um bolso. “Por favor, me sigam.”

 


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Sr. Delongas


Anterior | Próximo

3 ideias sobre “LOS – Capítulo 05

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s