LoMa – Volume 7 – Capítulo 2

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido da versão Inglês do Eternia em  Rain of Snow


Invocação de Herói

 

O Reino de Aarl, outrora aclamado como o mais forte do continente, estava prestes a enfrentar destruição iminente.

[Enora Frau Frauro] era uma bela Princesa de olhos azuis com cabelos loiros, e recentemente tinha sido coroada como Rainha.

Ela tinha apenas dezessete anos este ano, e tinha sido criada sob a cuidadosa proteção de seus pais e daqueles em sua volta.

Porém, seus pais tinham caído e seus irmãos pereceram na guerra.

Assim, o Reino de Aarl não teve escolha senão fazer Enora ascender ao trono.

Isso por causa do nascimento de um Senhor dos Demônios.

O Senhor dos Demônios trouxera consigo um exército de monstros em seu rastro, e esteve destruindo nações do continente uma após a outra.

O Reino de Aarl tinha tentado resistir, mas frente à constante derrota, foi deixado virtualmente sem nenhum poder militar.

Agora, o país rumava para sua ruína.

Os Cavaleiros no saguão de audiências ou eram extremamente velhos, ou extremamente novos.

Todos os homens capazes tinham sido enviados ao campo de batalha, e os Cavaleiros reunidos ali eram em maior parte crianças com menos de quinze anos.

Isso mostrava a situação desesperada em que o Reino estava.

Enora se sentava no trono com um cetro em uma mão que simbolizava sua soberania.

— Quantas tentativas mais nosso senhor nos preparou?

Após ouvir os relatórios de seus subordinados, Enora sentiu-se desencorajada. 

Os inimigos estavam se aproximando rapidamente da capital, mas ela não tinha tropas nem generais capazes de quem depender.

Ela mal tinha conseguido esmolar uma miscelânea de generais aposentados, Cavaleiros, e soldados. 

Foi quando tudo parecia perdido que um velho ministro se aproximou dela.

Vossa Majestade, não seremos capazes de aguentar por mais tempo. A única coisa restante…

— Eu sei… teremos de invocar um Bravo.

Uma técnica proibida passada entre aqueles pertencentes ao Reino de Aarl.

Um feitiço para invocar um bravo de outro mundo que possa enfrentar o Senhor dos Demônios.

Bravos eram existências capazes de derrotar o Senhor dos Demônios, mas a magia de invocação era uma viagem só de mão única.

Uma vez que o Bravo fosse invocado, o reino teria que cuidar de suas necessidades.

De certa forma, era uma espada de dois gumes.

Se um bravo que pudesse triunfar sobre até mesmo o Senhor dos Demônios se rebelasse, o reino teria dificuldades em fazer qualquer coisa. 

Além disso, a Família Real não tinha muito entusiasmo em confiar o destino de um país inteiro para alguém de um mundo diferente.

— Não temos tempo de sobra. Comecem as preparações para a invocação do bravo!

Seus vassalos responderam afirmativamente quando Enora se levantou para dar sua ordem.

A própria Enora também correu para a sala onde o ritual de invocação seria realizado.

-Em um mundo diferente-

Em um planeta chamado Terra, uma colegial estava retornando para casa de seu trabalho de meio expediente que tinha após a escola.

Já estava escuro do lado de fora.

A porta para sua casa rangeu no momento em que tentou entrar.

Não era nada fora do comum já que ela estava morando em um velho condomínio mal construído.  

— Voltei.

Ela disse para sua mãe que estava de volta, mas ela parecia estar dormindo com a televisão ligada.

Era a estação quente, ainda assim o kotatsu delas ainda estava para fora.

Sua mãe costumava ser uma bela mulher, mas não havia mais traço nenhum de sua antiga beleza.

Ela olhou para a guarnição que tinha comprado na promoção do supermercado e começou a se preparar para o jantar.

O barulho da cozinha eventualmente despertou sua mãe de seu sono.

— Ora, bem-vinda. Hoje é o dia que você recebe, não é? Então, tirou quanto?

[Akui Kanami], a colegial, entregou trinta mil ienes para sua mãe.

Sua mãe alegrou-se ao receber os trinta mil ienes, mas logo ficou desapontada. 

— Só isso?

— O que você esperava de uma estudante trabalhando em meio expediente?

— Kanami, seus estudos não são lá muito importantes no momento. Quer que eu te apresente a um trabalho que pode trazer mais dinheiro? A Kanami é bonita, que nem eu, então você deve ser popular com os homens.

Kanami ficou completamente repugnada por sua mãe que estava sugerindo implicitamente que sua própria filha vendesse o corpo.

— Por que você não trabalha, então, huh!?

Como Kanami não tinha tingido seus cabelos negros, ela tinha a aparência de uma estudante diligente à primeira vista. 

Entretanto, ela tinha crescido com uma boca suja devido às suas pobres condições de vida e suas constantes brigas com sua mãe.

Ela costumava ser muito mais graciosa no passado.

— Que absurdo! Você deve saber que a mamãe não tem experiência nenhuma trabalhando. Eu até fui demitida do meu emprego de meio expediente!

— Isso foi há anos. Para de ser teimosa e vai arrumar um emprego.

— Você também Kanami? Não sabe quanta dureza sua mãe teve que sofrer até agora?

— Você colhe o que semeia.

Frustrada, Kanami deixou a casa para caminhar.

Ela sentia-se inquieta com sua mãe estando em casa.

Caminhando pela estrada no meio da noite, Kanami sorriu como se estivesse farta de tudo.

— A~a, eu tô cansada.

Sua vida costumava ser muito melhor, mas ela tinha perdido seu pai por causa do egoísmo de sua mãe.

Embora não fosse seu pai biológico, ele tinha sido o único que a banhou de amor.

Mas ele não estava mais neste mundo.

Além do mais, quando ela era nova, magoou seu pai dizendo que seu papai novo era melhor.

Depois disso, porém, ela foi abandonada pelo seu novo pai junto com sua mãe.

— Eu não ligo mais.

Não parecia uma má ideia largar a escola para ganhar dinheiro.

Logo quando ela estava pensando em sair de casa e morar sozinha, o chão abaixo dela começou a brilhar.

— Eh?

O círculo mágico que apareceu de lugar nenhum a sugou.

— E-espera um segundo!

E assim, Kanami foi invocada para outro mundo. 

Quando ela deu por si, Kanami percebeu que estava em um lugar que não conhecia.

Na frente dela havia uma mulher de olhos azuis e cabelos loiros.

Ela carregava um cetro e tinha uma coroa na cabeça.

— O-o-o quê!?

Defrontada com o pânico de Kanami, a mulher a cumprimentou de forma reverente.

— Prazer em conhecê-la, Brava. Chamo-me [Enora Frau Frauro], e sou a atual Rainha do Reino de Aarl.

— Rainha? Brava?

Kanami estava completamente confusa e não conseguia acompanhar tudo o que estava acontecendo, mas como estavam em uma corrida contra o tempo, Enora explicou as coisas às pressas.

— Nos desculpamos por nossa rudeza, Ó brava de outro mundo. Nós simplesmente não tivemos outra escolha senão invocá-la.

— Invocar?

Do que diachos essa mulher estava falando?

Kanami olhou em volta um pouco mais e confirmou que de fato estava em um lugar desconhecido.

Ela estava sobre um altar que parecia ser para algum tipo de ritual suspeito, e havia velhos de robes a cercando enquanto falavam entusiasmados entre si.

— Funcionou. Funcionou!

— A Invocação do Bravo do Grande Feiticeiro Citasan-sama foi um sucesso!

— Uhyahyahya, ciclos sem fim de riquezas e honra nos aguardam!

Esses homens estavam cobertos em rugas e carentes de vários dentes.

Seus discípulos também estavam celebrando alegremente.

Enora, sua Rainha, percebeu o quão assustada Kanami estava e franziu.

Porém, ela não estava zangada com Kanami. Ao invés disso, sua raiva era dirigida aos velhos.

— Silêncio, Citasan. Estás assustando a Brava.

Citasan, que era o líder desses magos, refutou a rainha de modo arrogante. 

— Não podes agir assim, Vossa Majestade! Sem nós, os membros do Clã de Invocação Mágica, invocar a brava teria sido impossível. Sem nós, o país teria sido…

Uma discussão seguiu-se. 

Kanami, que estava se sentindo sobrecarregada, apenas ficou lá atônita.

(E-espera, o quê?)

O círculo mágico estava reagindo a algo, e um homem de cabelos negros apareceu no momento seguinte.

Seus olhos eram roxos, e sua aparência sugeria que estava próximo aos vinte, embora não ainda lá, mas havia algo de especial sobre a atmosfera em sua volta.

Quando ele emergiu do círculo mágico, olhou para os seus arredores de um modo aparentemente rabugento.

Ao contrário de Kanami, ele não parecia nada surpreso.

Na realidade, foram as pessoas em volta dele, incluindo Enora, que ficaram chocados por essa situação inesperada.

— Citasan!?

Enora exigiu uma explicação de Citasan; porém, ele simplesmente estava tão perdido quanto ela.

— M-mas não é isso o que os registros dizem! Não tenho ideia nenhuma do que está acontecendo!

Sua atitude condescendente não podia mais ser vista.

Disso, Kanami entendeu que o jovem rapaz não deveria aparecer do círculo mágico. 

Ela também notou algo ao observar a aparência do rapaz.

(Ele não está usando uma roupa bem cara?)

Ele estava vestido em calças pretas, sapatos de couro, e uma camisa branca, mas todas pareciam de qualidade superior.

Ele também estava adornado com vários acessórios, fazendo Kanami se perguntar quem era esse homem podre de rico.

Por alguma razão, ela sentiu-se nostálgica quando o viu. 

Enquanto isso, o homem se agachava e reclamava do círculo mágico. 

— Que círculo lixo é esse? Tá me dizendo que eu fui invocado por essa merda de círculo mágico? Só pode estar de brincadeira.

O rosto de Citasan ardeu vermelho brilhante enquanto refutava.

— Q-q-q-q-que ultrajes palavras proferes! Esse círculo mágico foi criado trezentos anos atrás e refinado por nossos ancestrais através de eras para invocar heróis de outro mundo! É único!

Só parecia um padrão complicado desenhado no chão, mas quem era ela para saber o que realmente representava?

O homem simplesmente bufou. 

— Estiveram usando esse círculo mágico defasado por trezentos anos. Devo louvá-lo por não fazer progresso nenhum.

Ousado.

O homem era imponente.

Ao contrário de Kanami que estava confusa com a situação em que fora colocada, ele se comportava como se já soubesse de tudo.

— Bem, já que vocês não tentaram me escravizar no momento em que fui invocado aqui, irei pelo menos ouvi-los. Aquela mulher ali é sua representante? Fale.

Ele discerniu que Enora era Rainha deles sem ser informado e permitiu que ela explicasse a situação.

Os súditos de Enora ficaram enfurecidos pela insolência do homem, mas Enora os conteve.

— Por favor, perdoe-nos. Não pensamos que haveria dois bravos, e isso resultou em alguma confusão.

— Então isso não foi parte do seu plano. É mais incompetente do que pensei.

A expressão de Citasan se contorceu para combinar com a frustração em seu coração.

Quando o homem ouviu a história completa de Enora, ele riu.

— Palavras não podem expressar o quanto lamentamos por impor tal fardo sobre vós, bravos. Mas, por favor. Por favor, salve nosso país.

— Salvar seu país, huh? Ahahaha, tá falando sério?

O homem se identificou após dar uma boa risada.

— Quer depender de mim, Liam Sera Banfield? Logo de mim?

As pessoas em volta dele reagiram violentamente, provavelmente por ele ter um nome do meio.

Enora perguntou cautelosamente a pergunta que estava na mente de todos.

— Por-por acaso eras um nobre em vosso mundo?

— Não entenderia bem mesmo se eu explicasse, mas é isso essencialmente. Tanto faz. Vou passar algum tempo ajudando vocês. Vamos, me guiem para onde sou necessário.

Liam bocejou apesar da presença de cavaleiros armados na sala.

Enquanto isso acontecia, enxames de pessoas corriam dentro da mansão do Liam.

Magos servindo Liam examinavam a sala onde seu mestre tinha desaparecido com semblantes pálidos.

Eles estavam sendo monitorados por Marie, que estava indescritivelmente furiosa.

— Mas o que raios vocês estão fazendo!?

Os magos tremeram ante à visão dela segurando sua arma.

— P-por favor perdoe-nos! Dúzias de camadas de segurança foram postas nessa mansão para prevenir que magia de invocação tivesse sucesso em ser ativada. Para burlar todas elas, precisaria-se ser incrivelmente…

A lâmina da espada de Marie lampejou na frente do pescoço do mago.

— Pela gravação, está claro que o Senhor Liam foi sequestrado por alguém através de uma magia de invocação enquanto estava nesta sala. Em outras palavras, a responsabilidade recai sobre vocês. Estou errada?

— N-não, senhora!

— É uma pena que eu não possa matá-los ainda. Não tenho permissão de me livrar de vocês sem o consentimento do Senhor Liam, mas não achem que isso terminou. Agora, vão buscar pistas!

Os magos e Liam não eram amadores nenhuns. 

Na verdade, eles estavam entre os melhores, e tinham sido prometidos gordas recompensas por seus serviços.

Sob circunstâncias normais, teria sido impossível burlar a segurança mágica que essas pessoas montaram.

Porém, agora que as coisas tinham prosseguido nessa direção, Marie teria amado ter a pessoa encarregada dos magos se despedindo de sua cabeça junto com todos os outros, não fosse pelo fato de que eram necessários para buscar por pistas do paradeiro de Liam.

Ela pensou em substituí-los por um bando novo de magos, mas abandonou a ideia já que as coisas poderiam seguir de modo muito errado se outros ouvissem do desaparecimento de Liam.

— Se for revelado que o Senhor Liam desapareceu, a facção que ele construiu pode muito bem desmoronar.

Parecendo bastante pálida, Rosetta se aproximou de Marie que estava descarregando sua frustração.

— Marie.

— Madame Rosetta? Homens, rápido, escoltem a madame ao seu quarto! Minha Senhora, acabou de acordar após desmaiar, então, por favor, abstenha-se de deixar seu quarto.

Rosetta tinha desmaiado quando recebeu as notícias de que Liam tinha sido invocado para algum lugar.

Era por isso que ela estava sendo acompanhada por uma comitiva de empregadas e médicos. 

— Me desculpe, Marie. Eu insisti em deixar o quarto. Deixando isso de lado, como está a busca pelo querido? Seremos capazes de encontrá-lo, não é?

— … É claro, minha Senhora. Agora, por favor, retorne ao seu quarto.

Verdade seja dita, um dia inteiro tinha se passado, ainda assim, eles não tinham encontrado uma única pista quanto a onde ele pudesse estar.

Todos os magos que analisaram a gravação chegaram à mesma conclusão, essa sendo “Como um tipo primitivo desses de círculo mágico burlou todas as nossas medidas de segurança!?”

Tia, que estava mantendo um olho neles, surtou quando ouviu isso e instruiu que eles continuassem analisando a gravação.

Após confirmar que Rosetta tinha deixado o cômodo, Marie pisou forte no chão abaixo para chamar por Kukuri.

— Que maneira violenta de chamar as pessoas.

Os magos ficaram mortos de medo quando viram que um rosto tinha aparecido no chão.

Marie alertou os magos de que os mataria se eles relaxassem no trabalho.

Então, levou seu rosto para mais perto de Kukuri.

— Kukuri, te julguei mal. O Senhor Liam foi levado, mas ainda está vivo para contar a história. Por acaso você não sabe o que é “vergonha”?

— Isso mal é convincente vindo de você~

Fagulhas voavam entre eles, mas Kukuri recuou primeiro.

— Admitirei que somos parcialmente culpados. Tendo dito isso, um dos meus subordinados também desapareceu junto com o Senhor Liam.

— Apontou um subordinado inútil para proteger o Senhor Liam?

Kukuri riu da provocação de Marie.

— Kuhihihi… ele é um dos nossos melhores. Embora seja jovem, suas habilidades, sem dúvida, são de primeira-classe. Essa é a prova.

O subordinado que estava se escondendo dentro da sombra de Liam tinha deixado uma nota para trás.

Marie a recebeu.

— Está criptografada?

— Ele tentou cancelar a magia de invocação, mas falhou por uma razão ou outra. O interessante é que a magia era de um tipo primitivo. Há algo suspeito nisso.

O círculo mágico tinha sido extremamente simples, simples demais, tanto que na verdade, era difícil dizer o que seus oponentes estavam tentando obter com esse tipo de magia.

Marie jogou de lado a nota em sua mão.

— Vocês devem buscar pelo paradeiro do Senhor Liam também.

— Isso é óbvio, mas lembre-se de uma coisa… você não tem o direito de nos dar ordens. Nós servimos apenas ao Senhor Liam.

Kukuri riu de uma maneira estranha e desapareceu como se fosse sugado ao chão, mas não antes de dirigir sua intenção assassina para Marie.

Marie sorriu friamente e ignorou a tentativa de Kukuri de agitá-la.

— Mas tem certeza de que consegue me derrotar?

Sem o Liam, a unidade entre os membros da Família Banfield estava prestes a se desfazer.

—————————————————————————————————————-

Brotinho-chan ( д ) : — … Por que as expectativas de todo mundo quanto à Árvore-Mundi são tão grandes quando ela nem apareceu ainda? — Há uma chance de que sua personalidade seja pior que a minha, sabia? Eu posso até parecer fofa em comparação.

Brian (´ω;`): — A seção de posfácio foi sequestrada de novo. Isso é doloroso.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.


AnteriorPróximo


Nota:

Estou usando herói no título, mas provavelmente devo utilizar Bravo/Brava. Fica mais fácil já que heroína possui outros significados bem diferentes do “feminino de herói”

5 ideias sobre “LoMa – Volume 7 – Capítulo 2

  1. Thiago Morgado

    Eu não sei se eu fico animado ou apavorado, uma das duas única pessoas que podia agitar o Liam acabou de aparecer. Assustador, estou com medo de pensar na reação do Liam quando descobrir quem ela é

    Curtido por 1 pessoa

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s