LoMa – Volume 5 – Capítulo 5

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


O Plano do Senhor Liam

 

— Ele é mais duro do que previ.

Após o encontro com Vossa Alteza Cleo e os mercadores ter terminado, retornei ao meu quarto no hotel para reorganizar meus pensamentos.

Esperava que o Príncipe fosse algum bobalhão fingindo bancar o adulto, mas ele manteve-se firme mesmo frente a atitude insolente que assumi com ele.

Sem sequer o menor dos vacilos, ele me enfrentou de frente.

É uma pena, se tivesse mostrado sequer o menor sinal de desrespeito, eu teria tido uma desculpa para mostrá-lo seu lugar.

Como comentário extra, ele tinha uma beleza bastante andrógina, embora isso provavelmente fosse por ele originalmente ser uma garota.

Apesar de seu corpo ser o de um homem, ainda dava uma impressão bastante feminina.

Acho que tecnologia de mudança de sexo não era perfeita mesmo neste universo.

Enquanto eu ponderava isso, Rosetta irrompeu no quarto pela porta.

— Querido, acabei de ouvir que Vossa Alteza Linus está abusando do seu poder para pressionar a Casa Banfield! É verdade?!

Ou odiava vê-la em pânico assim.

Ver a garota com espírito de aço perder sua calma me enfurecia.

Era embaraçoso, e me deixava desconfortável por dentro.

— … não é lá grandes coisas.

— É claro que é! Metais raros são a fonte de renda principal da Casa Banfield! O que iremos fazer?!

Embora eu admita, é meio engraçado assisti-la sacudir seus braços afobada.

Tentemos atiçá-la um pouco.

— É, acho que ficaremos pobres se isso durar. Outros podem tirar vantagem de nosso aperto para comprar nossos materiais a preços criminalmente baixos. Quando tudo isso acontecer, irá me jogar fora e desaparecer?

Assim que proferi essas palavras, Rosetta me lançou uma expressão séria.

— … Eu sempre estarei ao seu lado, Querido. Mesmo se nossa fonte de renda desaparecer, mesmo se acabarmos pobres, ainda arrumarei um jeito de nos sustentar.

Eu… não estava esperando esse tipo de resposta.

Ela realmente era uma heroína fácil.

—… Foi só uma piada. Eu não estou preocupado em encontrar novos compradores, e tenho planos em ação para começar a vender para países estrangeiros.

— Estrangeiros… isso não seria considerado um crime se houver descuido?

— Vossa Alteza Linus foi quem arrumou briga comigo primeiro. Não irei deixá-lo escapar livre. Além do mais, ainda podemos ganhar dinheiro vendendo outros produtos além de metais raros.

Bem, só posso dizer isso porque tinha a Caixa Alquímica.

Tudo ficaria bem se eu a usasse para produzir em massa metais não raros que estão fora das atuais regras de exportação do império.

E se acabarem regulando isso também, ainda temos outras vias para buscar lucro.

Ou melhor, elas não se destacam por causa das vendas de metais raros, mas fazemos um bom dinheiro com nossos produtos também.

Mesmo sem o mercado de metais raros, ainda estaríamos ganhando o bastante para uma Casa de Condes.

Diversificação de riscos é o básico dos básicos.

— Bem, não posso negar que também estou usando essa oportunidade para desenvolver conexões internacionais.

Vendo meu sorriso, Rosetta soltou-se sentada do meu lado.

— Conexões internacionais? Está tentando desenvolver seus próprios canais?

— Desde que a relação me beneficie, eu não ligo com quem faço conexões. Serem hostis ou não ao império é irrelevante.

Rosetta ficou sem palavras com o que eu disse.

Foi um pouco demais para ela?

Como a esposa de um Senhor Maligno, ela não deveria ficar surpresa com algo desse nível.

Espera… sinto que de algum modo ela está me entendendo errado, então eu devo aproveitar essa chance para realmente gravar minha imagem vilanesca.

— Rosetta, o verdadeiro vilão sempre se junta ao seu inimigo enquanto trai seus aliados. Lembre-se disso.

Rosetta ficou quieta com minhas palavras.

Eu não ligava se isso fosse ruim para o Império.

Irei perseguir minha própria felicidade!

◇ ◇ ◇

Enquanto em seu caminho de volta ao próprio quarto, Rosetta murmurava para si enquanto caminhava pelo corredor do hotel.

— O verdadeiro vilão… a quem ele está se referindo?

A verdade de Liam estar de fato se referindo a si próprio era impossível para Rosetta imaginar.

Afinal, ele era o herói nos olhos dela.

Ela pensava que ele estava se movendo seriamente para enfrentar o verdadeiro vilão.

Considerando as ações passadas de Liam, não seria inaudito ele tomar tais ações extremas.

Porém, ao invés de agarrar as régias mãos estendidas de Calvin ou Linus, ele havia escolhido o Príncipe que ninguém acreditava que tinha chances de herdar o trono.

Qual era o significado disso?

Até mesmo o Império não podia ignorar o poder detido por Liam.

Desde que o tivessem do seu lado, até mesmo Linus — que era amplamente considerado o azarão dos dois Príncipes, teria uma chance muito maior de vitória na guerra de sucessão.

Era uma chance de vender um favor e desenvolver a Casa Banfield a novas alturas.

Era o mesmo caso para Calvin.

Sua assistência não seria tão valorizada quanto seria com Linus, mas ainda seria enormemente apreciada na batalha pelo trono.

— O querido é um poderoso aristocrata. Aqueles dois definitivamente fizeram tudo o que puderam para mantê-lo feliz e ao lado deles, então rejeitar os dois em favor do Terceiro Príncipe significa…

Rosetta havia analisado demais as decisões que Liam tomara por capricho.

— … que os Príncipes Calvin e Linus estão aliados ao nosso verdadeiro inimigo?

Liam… que estava ativamente se movendo para criar conexões internacionais, estava escondendo algo dela?

Era o tipo de informação que poderia colocá-la em risco se soubesse?

Um calafrio correu pelas costas de Rosetta.

— … Está relacionado à escuridão do Império?

Ela não estava ciente disso até recentemente, mas o Império tinha um submundo profundo e poderoso.

Considerando que Liam ainda estava vivo depois de lutar contra tal força, Rosetta não pôde deixar de ficar comovida.

Se a realeza do país, e até o próprio Império estava conspirando com o inimigo, então as ações do Liam podiam ser consideradas como sua declaração pessoal contra sua injustiça.

Quando seu semblante empalideceu de repente, Marie apareceu.

— Madame Rosetta, finalmente te encontrei.

— Marie? Quando retornou?

— Não ficarei aqui por muito tempo, infelizmente. Acabei de receber ordens do Senhor Liam, e parece que ficarei fora por um tempo, então pensei em lhe oferecer minhas saudações ant… qual o problema?

— … Marie, para onde exatamente você será enviada?

Um país estrangeiro… a ordem de Liam havia a despachado para outra nação.

Rosetta pediu mais detalhes para Marie.

A Cavaleira ficou um pouco confusa com os detalhes, mas imaginou que não haveria problema em falar.

— Lustral. Fomos ordenados a nos infiltrar na nação intergalática conhecida como “O Governo Unificado” como uma companhia mercenária sob contrato de guarda de mercadores.

A própria Marie tinha sido delegada como parte da escolta de Patrice.

— O Governo Unificado? … O querido lhe disse algo mais?

— Não disse nada diretamente, mas o Senhor Liam tem planos em ação de criar conexões em Lustral. Tenho uma tarefa pessoal de agir como embaixadora e me encontrar com alguns dignatários.  Aparentemente, estão bastante sobrecarregados com disputas domésticas no momento, e supostamente eu devo investigar isso também.

(Sabia!)

As peças finalmente se encaixaram na mente de Rosetta.

— Madame Rosetta, há alguma coisa de errado?

Marie apenas havia dito isso tudo porque Rosetta era esposa de Liam e uma importante membra da Casa Banfield, mas essa reação era preocupante.

Liam não havia lhe dito que suas ordens eram confidenciais, então ela imaginou que estava tudo bem.

— Irei preparar um orçamento para você, então poderia coletar tanta informação sobre Lustral quanto puder? Quero que descubra se o Império está envolvido com seus problemas internos.

Marie cerrou seus olhos:

— … Entendido.

Após ouvir o pedido de Rosetta, até Marie sentiu que havia algo acontecendo nos bastidores.

◇ ◇ ◇

— “Oficial de estado-maior espacial”, minha bunda!!!

Era o irmão mais velho de Wallace, Cedric, que atualmente estava me xingando pelas linhas de comunicação.

Apesar de ser um membro da família real, ele havia escolhido viver como um soldado, e ascendido ao posto de Major General que liderava milhares de tropas.

A única razão de eu permitir que ele soltasse seus xingamentos era porque ele já havia se jurado à minha facção.

— Eu sei que parece ruim, mas não se preocupe. Estarei lhe enviando os mais novos modelos de nave para comandar.

— Pros infernos que eu ligo pra isso! Eu decidi viver minha vida longe das batalhas lamacentas da corte, não me juntar a elas!

— Ei, se acalma. Vou te dar o dinheiro que vai precisar pra isso.

A razão de Cedric estar reclamando comigo era porque após ter sido delegado à frota regular, ele estava repentinamente sendo assediado pelos seus superiores.

Os fundos de sua frota foram reduzidos e o ódio aberto que estava recebendo estava afetando a moral.

— E por que logo o Cleo?! Você não pode vencer isso! Se realmente sentisse pena e quisesse ajudá-lo, poderia tê-lo ajudado a escapar em segredo ou algo do tipo!

— Isso realmente não serviria para mim, eu já decidi fazê-lo Imperador.

Era em meu melhor interesse fazer isso.

Além do mais, Linus já havia solidificado sua posição como meu inimigo, enquanto seu irmão mais velho e o Imperador provavelmente o seguiriam.

— Não há mais escapatória, Cedric. O dado já foi lançado. Não existe rota de fuga, então é melhor você seguir minhas ordens e comandar a frota. Me certificarei de providenciá-lo com um amplo orçamento e as armas mais recentes para controlar.

— … Se vai fazer tudo isso, então provavelmente posso convencer meus homens a obedecer, mas posso apenas mover cerca de mil naves. — Não tenho certeza de quanta utilidade serei.

— Isso não é um problema, vou puxar alguns fios e te arrumar outra promoção.

— Não! Eu vou acabar sendo o alvo da inveja de todo mundo se isso acontecer! Eu quero ser promovido pelos meus méritos, não por minhas conexões!

Eu estava feliz em ver o quão motivado ele estava.

— Isso é bom de se ouvir, então farei dar certo.

— Eh?

Não há sentido em uma ferramenta que nunca é usada.

Se a frota regular não vai usá-lo adequadamente, irei puxá-lo de lá e colocá-lo em uma área onde será.

— Para falar a verdade, o Cleo… não, Vossa Alteza, me enviou uma carta cheia de pedidos. Muitos deles envolvem extermínio de piratas, mas há muitos demais para minhas frotas lidarem sozinhos, então delegarei alguns deles para você.

— Eh?!

— Me envie uma lista de tudo que precisará, e prepararei mil embarcações extras para você. Há uma multidão de pessoas sedentas por ação nas forças armadas! Quando dei uma ligada, eles se juntaram como moscas!

Havia muitas oportunidades a se agarrar no Império!

Para início de conversa, nações da escala de um império intergalático estavam abarrotadas de lacunas.

Elas eram simplesmente grandes demais para serem administradas como um todo.

Eu havia experimentado isso pessoalmente durante meu tempo servindo em minha antiga frota de patrulha.

Então vamos coletar todos esses recursos humanos estagnados e colocá-los em uso!

— Ah é, estive falando com meus contatos militares sobre você. Se precisar de alguma ajuda com reabastecimento, só pedir pra eles.

Os presentes de saudação… que definitivamente não eram subornos, que enviava para eles todos os anos foram de máxima importância.

Eles sempre aceitavam com gratidão.

— Ei, espe…!

Desliguei a chamada, e comecei a planejar alegremente minha próxima jogada.

— Vejamos, que ato de vilania devo fazer a seguir?

Ser um Senhor Maligno era ótimo!

◇ ◇ ◇

A Propriedade da Família Banfield.

Brian tremia enquanto lia o relatório junto com Serena — a governanta.

— Então, não só estamos com desenvolvimento ao máximo, mas também estamos mobilizando completamente nossas forças armadas?

A Casa Banfield atualmente estava ocupada com o desenvolvimento de seu país recém-adquirido.

Assentamentos foram construídos, e uma enorme quantidade de mão de obra, recursos, e dinheiro tinham sido investidos nisso.

No meio de tudo isso, quase todas as suas tropas tinham sido chamadas à ação.

Com exceção das frotas que estavam passando por reorganização e treinamento, eles agora tinham trinta mil naves em atividade.

As frotas restantes estavam distribuídas pelo território e eram indispensáveis para sua defesa.

Até Serena estava surpresa.

— Estamos abandonando defesas quase totalmente. Se sequer uma única coisa der errado, há um perigo de colapso total.

Se uma única coisa sequer ficasse aquém, uma reação em cadeia de consequências certamente se seguiria.

A Casa Banfield estava em um perigo real de colapso se falhassem.

— Senhor Liam! Por que não me consultou com antecedência!

Enquanto Brian irrompia em lágrimas, Serena parecia entretida.

— Não importa que advertência eu o dê, ele não mudaria de ideia. Essa é uma grande aposta, mas se de algum modo ele tiver sucesso, então Vossa Alteza Cleo pode realmente ter uma chance.

O que antes era considerado impossível então teria a menor das chances de se tornar realidade.

Serena podia dizer que Liam estava se movendo seriamente para fazer de Cleo o Imperador, mas isso não importava nenhum pouco para Brian.

— Por que o Senhor Liam sempre toma ações tão extremas? Bem… pelo menos se pode realmente sentir seu caráter nessas horas. Mesmo com a situação atual, muito mal há qualquer pressão na população.

Ele poderia ter mobilizado toda a população em seu território se quisesse, mas não o fez.

Brian pensava que isso era uma demonstração de bondade.

Mas Serena sacudiu sua cabeça.

— Ele é um doce, mas não acho que seja isso. Ainda assim, quando se olha as ações dos países em volta… acha que tem alguma coisa aí? Brian, está me escutando?

— Este Brian aqui não escuta nada. Bem, desde que as transações não envolvam metais raros, não estaremos quebrando lei nenhuma, então está tudo bem.

— … Sim, desde que ele esteja sério sobre não lidar com metais raros.

Serena parecia um pouco preocupada com isso.

Vendo isso, Brian soltou uma risada e a respondeu:

— Olhei os itens listados em questão, e estão bem. Está se preocupando demais, Serena.

— Certamente assim espero.


Guia (`・ω´)キリッ!:— Eu não fiz nada!


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.


AnteriorPróximo

4 ideias sobre “LoMa – Volume 5 – Capítulo 5

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s