LoMa – Volume 4 – Capítulo 13

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


Erro de Cálculo

 

Uma enorme armada de naves superando setenta mil enfrentava a frota Berkley, uma força com mais de quatro vezes seu tamanho.

A Casa Banfield estava usando seu enorme porta-naves classe fortaleza como almirante.

Ela normalmente era usada como uma base temporária para planetas pioneiros, mas era empregada aqui ao invés disso porque era uma situação de emergência.

Os generais tinham se reunido lá e atualmente estavam discutindo como poderiam lidar com esse aperto.

— Por que eles não estão atacando logo?!

— Comandante, táticas de assalto são nossa única opção aqui!

— Com essa diferença de números, não venceremos a menos que tomemos a iniciativa!

Os generais estavam defendendo manobras agressivas, mas o comandante havia os mantido passivos por uma semana inteira.

As coisas estavam estranhamente quietas antes da colisão entre as duas frotas.

Eles observavam as formações uns dos outros, alterando seus próprios arranjos em resposta ao que viam, e constantemente alteravam a distância entre si antes de repetirem o mesmo processo de novo.

Nesse ritmo, levaria cerca um mês antes de alguém realmente atacar.

Porém, a frota da Casa Banfield — que geralmente massacrava seus oponentes imediatamente com táticas de assalto — estava lentamente perdendo sua paciência.

— Ordens do Senhor Liam.

Quando o comandante disse isso, os generais levantam os olhos.

— O Senhor Liam disse para fazer isso?

— Ele não estava estacionado como um oficial do exército imperial no momento?

— Quando entraste em contato com ele?

O comandante começou a explicar a situação atual de Liam.

— Parece que ele está vindo para cá com a frota que criou, e até lá, as ordens dele foram para que ganhemos tanto tempo quanto possível sem entrar em combate.

Mas não era fácil mudar a mentalidade daqueles que estiveram implementando táticas de assalto por décadas.

— Comandante, essa situação não mudará se apenas ficarmos esperando passivamente por reforços!

No máximo, a frota de Liam traria apenas umas trinta mil naves a mais.

A diferença entre as forças realmente não mudaria muito só porque seus números aumentaram um pouco.

A Família Berkley ainda teria a vantagem.

— Entendo seus sentimentos, mas essas são as ordens.

E as ordens de Liam eram coisas que devem ser obedecidas.

Os generais se aquietaram com essas palavras.

◇ ◇ ◇

A nave almirante da frota Berkley.

Na ponte da nave de guerra que era luxuosamente construída com metais raros, o filho mais velho de Cashimiro estava atualmente pressionando Dolph.

— Ei, por que eles não estão se movendo?!

Mas Dolph não se abalou:

— Não se preocupe com isso, eles estão apenas agindo passivamente porque Liam não está aqui.

— Isso ainda é diferente do que planejamos.

— Nunca esperei que tudo transbordaria perfeitamente desde o começo, mas não importa o que eles façam, é praticamente impossível que superem a diferença entre nossas duas forças.

Os arsenais tinham preparado a mais nova geração de naves e Cavaleiros móveis para eles.

Todo o seu pessoal tinha sido suficientemente educado e treinado também.

Era uma frota preparada com o uso de um orçamento incomensurável.

Mas na sombra desses resultados havia a destruição de múltiplos planetas para a criação de elixires, e o sofrimento dos cidadãos dos territórios Berkley com impostos absurdos.

No entanto, nem Dolph nem o filho primogênito se importavam.

— … Há rumores circulando de que Liam reuniu sua frota do exército.

— No máximo ele reuniu cerca de trinta mil naves, assim sendo, mesmo caso se junte a batalha então, nossa posição superior não fraquejará. Embora ele possa tentar um ataque em pinça, ainda somos mais do que capazes de dividir nossa frota em dois para lidar com isso. Depois disso, em um ato final de desespero ele indubitavelmente ordenará…

— … que a Casa Banfield inicie um assalto, certo?

— Precisamente. É exatamente por isso que ainda estamos bem mesmo com eles não investindo contra nós no momento. Nós já vencemos.

Eles não subestimaram Liam, e tinham se preparado tanto quanto possível para essa operação.

O Dolph de hoje era como o inimigo natural de Liam.

(Liam… certamente reembolsarei a dívida da academia militar. Irem vencê-lo em uma daquelas “batalhas reais” que você tanto ama!)

O filho mais velho sentiu-se aliviado após ver o quão confiante Dolph estava.

— A-acho que você está certo. Devemos ficar bem nesse caso.

A frota Berkley era feita de soldados treinados, ao contrário de piratas tradicionais.

Eles continuavam a enfrentar a frota da Casa Banfield seguindo firmemente as ordens de Dolph.

Vendo o quão facilmente seus aliados se moviam como se fossem seus próprios membros, Dolph ficou certo de sua vitória.

A situação não era muito diferente do que ele havia planejado.

Isso porque sua derrota original contra Liam se tornou uma força motriz para seu crescimento tático.

(Aquela derrota passada foi pelo bem de hoje. Aceitei que fui eu quem foi derrotado anteriormente no simulador, mas serei eu quem dará a última risada!)

◇ ◇ ◇

O guia estava sentado em sua maleta no meio do espaço.

Ele atualmente assistia as duas frotas em seu impasse enquanto tomava um copo de chá.

O fato de ele estar no espaço sideral não lhe importava minimamente.

— … Eles não se moveram nem um pouco. Porém, os vencedores da guerra já foram decididos. Tudo o que falta é eu aproveitar as profundidades do desespero em que o Liam cairá.

Mesmo se a frota de patrulha de Liam participar, suas forças chegariam apenas a cem mil no máximo.

Mas a armada da Família Berkley tinha mais de trezentas mil.

Não havia nenhuma grande diferença na qualidade de seus equipamentos ou na habilidades de seu pessoal também.

A Casa Banfield era melhor em média, mas isso ainda não era o bastante para superar a disparidade entre os dois.

— Se suas habilidades forem mais ou menos a mesma, então o lado com números superiores está fadado a vencer.

Apesar de ainda não terem se movido ainda, quando as coisas começarem, será impossível eles pararem até o final.

Então o guia na verdade estava gostando bastante desse momento quieto.

— Será esse finalmente o fim da minha conexão com Liam, que me causou tanto sofrimento?

Esse pensamento o deixava profundamente comovido.

Liam era o primeiro a já tê-lo encurralado tanto.

— … Prepararei um inferno extraordinário só para ele.

O guia estava alegremente ansiando pela visão do Liam chorando e implorando por perdão.

Foi então que a sensação desagradável de sua pele queimando ficou mais forte.

Com esse único fato, o guia sabia que ele estava por perto.

— Então está finalmente aqui, Liam!

Buracos de dobra se manifestaram, e deles naves de guerra começaram a aparecer uma após a outra.

— FUHAHAHAHA! ESTIVE ESPERANDO POR VOCÊ, LIAAAAMMMM—— eh?!

O guia estava tão feliz que até jogou fora o copo que estava segurando… mas havia muitas naves saindo dos buracos de dobra.

Para piorar, elas não paravam de aparecer.

— Ei, espera um segundo aí! Mas que merda é essa?! Por que há tantas delas?!

Não havia dúvida nenhuma de que Liam estava por perto.

Mas algo estava errado.

Indubitavelmente, a frota que Liam trouxera era… de mais de cem mil.

O guia agarrava sua cabeça.

A gratidão fervente de Liam queimava sua pele mesmo agora.

— Por quê?! MAS POR QUÊ?!

◇ ◇ ◇

— Hmm?

Quando levantei minha cabeça, Marie — que me trouxera chá — perguntou-me:

— Senhor Liam, algo errado?

— Não é nada, apenas pensei ter escutado um conhecido.

Eu podia jurar que tinha escutado a voz nostálgica do guia.

Se eu estivesse certo… isso significa que ele está me assistindo neste momento?

Então isso significa que minha vitória era garantida.

Enquanto bebia meu chá, os operadores traziam relatórios um após o outro.

— A vigésima quarta frota dobrou sem problemas.

— A trigésima sexta frota aguarda mais ordens!

— A situação da armada inimiga foi confirmada! Eles não parecem estar engajados em combate ainda!

A notícia tinha se espalhado que eu estaria retornando para lidar com alguns idiotas que estavam tentando invadir meu território. Ouvindo isso, os comandantes de várias frotas regulares disseram “Ah, vou te dar uma mão”, e enviaram suas naves para me apoiar.

Mas já que não podiam simplesmente abandonar seus postos de proteção da fronteira, apenas cento e vinte mil tinham vindo.

Mesmo assim, o efeito dos subornos era incrível!

E depois disso, os mercadores começaram a enviar suprimentos sem parar, e então fui facilmente capaz de mover uma frota desse tamanho sem quaisquer problemas.

Acho que estava certo em aumentar o número de mercadores com o qual eu tinha contrato.

Tia ofereceu uma sugestão.

— Senhor Liam, nesta situação podemos começar um ataque em pinça. Podemos ter números menores, mas se avançarmos juntos com a frota Banfield, seremos capazes de dar um golpe letal ao inimigo.

— É mesmo?

Quando eu estava prestes a dar a ordem, o comandante correu e me interrompeu.

Ele geralmente me deixa fazer o que quero, então havia alguma coisa que eu tinha deixado escapar?

— Espera um segundo!

— … Comandante, tem algum problema com esse plano?

Tia encara o comandante, enquanto Marie começa a estender a mão para sua arma, mas eu me levantei e disse para que parassem.

— Esperem… Comandante, tem alguma outra sugestão?

Após dar uma tossida, o comandante começou a explicar seu raciocínio.

— Apesar de ser efetivo, causará danos demais. Acho que há uma maneira melhor de lutar uma batalha desse tamanho.

Eulísia lançou um olhar cheio de suspeita para ele.

— Então qual seria o modo “apropriado”, então?

— … Primeiramente, seria melhor começarmos a atirar de longe.

Marie cruza seus braços, reclamando da sugestão de batalha meio covarde do comandante.

— Essa estratégia é passiva demais. Não combina com o Senhor Liam.

… huh? Sério?!

Desde quando outros decidiram que há um jeito de lutar que “combina” comigo?

Mesmo assim, o comandante parecia mais sério sobre isso do que jamais tinha sido antes.

— Conde… em batalhas entre campeões, há expectativas em como são lutadas. Apesar de ser verdade que possui várias proezas enfrentando piratas, não pode fazer a mesma coisa ao liderar forças desta escala.

Tia imediatamente puxou sua arma e a apontou para o comandante.

— Que grosseria! Está realmente tentando explicar logo ao Senhor Liam como um campeão deve lutar?! Ele já se tornou um esplêndido campeão fazendo as coisas exatamente do jeito que tem feito até agora!

Eu sabia, essas garotas realmente não me entendem.

Tenho certeza que aos olhos delas, eu era um ser humano inigualável e maravilhoso.

Mas essa era apenas a ilusão que tinham projetado em mim.

— Pensei ter dito para que parasse.

— Senhor Liam?

Empurrei Tia de lado e me virei para o comandante.

Com o quão sério estava seu olhar, eu tinha completa confiança no sexto sentido que ele havia cultivado como um apostador.

— … tudo bem, notifiquem todas as forças. Tomem distância e ataquem de longe. Certifiquem-se de que uma distância constante entre nossas forças seja mantida!

Embora fosse um meio covarde de lutar, Senhores Malignos são covardes para início de conversa.

A única coisa que importava era que eu vencesse.

O modo de lutar não me importava.

Marie estava surpresa:

— Senhor Liam?! Está certo disso?!

— É chato ter que ficar me repetindo. Apenas obedeça minhas ordens.

◇ ◇ ◇

O comandante estava aliviado.

(Não vem com essa! Você realmente iria dar a ordem de assalto com uma frota desse tamanho?! É muito mais seguro manter nossa distância a atirar neles de trás.)

Tendo sido capaz de evitar a ordem de assalto, o comandante sentiu ondas de alívio o varrerem enquanto jurava nunca mais se envolver com Liam.

(Desde que mantenhamos nossa distância durante essa luta, essa nave nunca cairá.)

A embarcação que Liam atualmente abordava era um modelo personalizado.

Portanto, não era tão fácil de se afundar.

Entretanto…

— Okay, eu quero atirar as armas principais pessoalmente, então leve a nave almirante para a vanguarda!

Liam deu a ordem para avançar em alto astral.

(…hã?)

Eulísia pareceu surpresa.

— Tenente-general tem certeza que quer se mover para as linhas de frente?

— Bem, não é como se fôssemos ficar completamente seguros mesmo ficando na retaguarda, não é? Pelo menos na frente podemos abater inimigos pessoalmente. Ei, transfira os controles da arma principal para mim.

(Você só pode estar de brincadeira comigo! Mas de que merda esse cara está falando?!)

◇ ◇ ◇

A frota Berkley que foi pega no meio de um ataque em pinça estava atualmente em um estado de confusão.

Liam e suas forças tinham escolhido atacar de longe.

Apesar de poderem revidar… o problema era que a maioria de suas naves eram feitas para combate de curta distância.

Contra ataques de longa distância eles podiam apenas ser alvos fáceis.

Uma nave carregando uma enorme quantidade de mísseis explodiu perto da nave almirante.

— Merda!

Dolph balançou seu punho no painel de controle.

Aparentemente, o inimigo parecia estar mirando nas naves com menor blindagem.

O filho mais velho agarrou o peito de Dolph.

— Ei, isso não é diferente do que nos disse que iria acontecer?! Por que eles não estão investindo contra nós?!

— Por favor, se acalme. Nesse cenário, não temos outra escolha senão encontrar e abater a nave almirante inimiga. Se os acertarmos na cabeça, o inimigo certamente cairá em confusão.

— Se fosse tão fácil descobrir em que nave está o líder inimigo, não estaríamos tendo tantas dificuldades em primeiro lugar!

A frota Berkley estava procurando pela embarcação que o comandante inimigo havia abordado.

Porém, a nave almirante de classe fortaleza da frota Banfield não parecia muito fácil de se destruir.

E por outro lado, era praticamente impossível discernir em que nave o líder inimigo estava em meio aos seus milhares de reforços.

A nave almirante tremeu após ser acertada, e o filho mais velho caiu ao chão.

— E-em um lugar desses não! Eu sou o herdeiro da Família Berkley! De jeito nenhum irei morrer aqui!

Vendo o filho mais velho fugir, Dolph escarneceu.

— Tudo bem, eu nunca precisei de alguém como ele em primeiro lugar, mas é verdade que essa situação não pode continuar.

Apesar de ainda terem a vantagem em números, se o inimigo continuasse a lutar de longe, as circunstâncias eventualmente seriam invertidas.

Foi então que ele ouviu uma voz.

— … Dolph, emprestar-lhe-ei meu poder.

— Quem está aí?!

Dolph balançou sua cabeça, mas não havia ninguém.

Logo quando estava questionando se tinha imaginado, um dos operadores berrou:

— Localizamos a nave almirante inimiga!

— O que foi!?

Eles de algum jeito tinham identificado em que nave Liam estava em meio a mais de cem mil naves.

Isso era ridiculamente sortudo.

— Estamos mudando de planos! Se é assim, nós mesmos iremos ao ataque e alvejaremos o Liam!

A frota Berkley iria lançar um assalto direto na nave de guerra de Liam.


A brotinho que foi reformada em uma boa criança(°°): — O primeiro volume da adaptação de “The World of Otome Games is Tough for Mobs” já está à venda! Uhuuul~~! Por favor, confiram!~♪”

Brian(´ω;`): — É doloroso que o posfácio foi sequestrado por outros.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.


AnteriorPróximo


Notas e Baboseiras de equipe:

Delongas: kkkk
Batata: Espero que esse posfácio não seja spoiler… Mas realmente recomendo a novel mencionada. Dá pra encontrar na amazon.jp pra importação.

4 ideias sobre “LoMa – Volume 4 – Capítulo 13

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s