LoMa – Volume 4 – Capítulo 11

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


A Frota Berkley

 

O lar da família Berkley.

Cashmiro se colocava em frente a um soldado.

— … me mostrou seus planos. Eles são incríveis, mas precisa fazer grandes reformas para derrotar a Casa Banfield.

O soldado era Dolph, que havia sido promovido a Major.

Ele fora delegado a um posto vazio onde se esperava que ele não fizesse nada, mas isso deu-lhe todo o tempo necessário para ponderar como poderia derrotar Liam e avançar na vida.

E agora ele estava se encontrando com Cashmiro.

Seu encontro fora por puro acaso.

E com isso, Dolph agora estava devotando todo seu corpo e alma nessa estratégia.

— Levando o que propôs ao pé da letra, não é o bastante. Falando de modo realista, com a quantidade de tempo e fundos disponíveis para nós, ainda temos potencial para mais, os planos atuais apenas nos atrasarão.

— … sequer é possível substituirmos toda a frota enquanto reorganizamos nossa estrutura de comando? E também, nunca ouvi de ninguém criando uma armada unicamente de naves especializadas em combate à curta e média distância.

Dolph puxou uma imagem holográfica.

A frota da Casa Banfield se projetava nela.

A imagem deles massacrando unilateralmente uma frota pirata era uma visão assustadora.

— A força da Casa Banfield está na alta qualidade de seu equipamento e pessoal.

— É impossível de se superar com números?

— Apesar de poderem ter apenas cem mil naves no máximo, se penetrarem um único ponto sequer, os dois lados acabaram recebendo danos enormes. No pior dos cenários, até mesmo nossa estrutura de comando desmoronará, e quando isso ocorrer, já teremos praticamente perdido.

Então Dolph apresentou sua estratégia.

— Deixaremos eles investirem contra nós, e então os interceptaremos com contramedidas precisas. É por isso que nos focaremos em procurar naves para combate à curto e médio alcance.

Para derrotar a frota da Casa Banfield, Dolph sugeria criar outra armada de mais de cem mil que não teria aplicação prática quase nenhuma em uma luta padrão.

Porém, Cashimiro tinha a opinião de Dolph em alta estima.

(Cada um deles, todos disseram que desde que tivéssemos números iguais equivalendo aos do pirralho, venceríamos. Mas esse cara aqui… nunca vi ninguém mais motivado que esse moleque.)

Cashimiro tentou fazer uma pergunta.

— E o que supõe que faríamos se o inimigo decidisse lutar normalmente nessa situação?

— Certamente estaríamos em perigo, mas um assalto completo é a estratégia de vitória da Casa Banfield. Seria muito difícil eles mudarem seus hábitos de batalha desenvolvidos por várias décadas.

Cashimiro entendia isso.

Eles eram pessoas que caçavam piratas agressivamente já há muitos anos.

Certamente, suas táticas de assalto tinham se tornado um tipo de arte.

Suas formações nunca caíam, e seus soldados pareciam não conhecer medo algum.

Eles tinham ficado dependentes de estratégias agressivas como uma garantia de vitória.

(Esse cara… ele é o único que entende isso.)

Dolph irrompeu em um discurso.

— Todas as naves precisam ser trocadas, e o pessoal precisará ser retreinado para essa operação! Embora isso vá custar uma quantidade enorme de tempo e dinheiro, são gastos necessários para a vitória! Isso é o quão grandiosamente eu avalio o inimigo! Não podemos subestimar a Casa Banfield!

Apenas para derrotar Liam, a frota Berkley seria reformada em uma armada imóvel.

Eles se tornariam fracos em uma batalha normal, mas nunca perderiam contra um inimigo agressivo.

Todos os soldados com quem Cashimiro se encontrara até agora disseram que eles venceriam desde que tivessem números iguais, mas ele sabia que não era o bastante.

— … mas conseguiremos a tempo? Ouvi que a Casa Banfield também está fortalecendo seus armamentos.

— Definitivamente podemos. Não, eu farei com que possamos! Precisamos começar a coletar imediatamente tantas naves quanto possível!

Afetado pelo entusiasmo de Dolph, Cashimiro se resolveu.

— Parece bom, façamos isso.

— Muitíssimo obrigado! Nesse caso, quero que reúna os piratas também.

— O quê?

Para essa batalha, Dolph decidira que eles precisariam aplicar pressão nos aliados de Liam.

Isso era para evitar que ele recebesse reforços.

— Há rumores de que Liam formou uma frota regular, e os confirmei como verdadeiros. Ele parece estar planejando usá-la como sua carta trunfo.

Uma frota regular com dezenas de milhares de naves.

Ouvindo isso, Cashimiro decidiu que piratas provavelmente não seriam capazes de fazer nada contra.

— … Eu sei que há pessoas nas forças armadas que não gostam do pirralho Banfield. Pode não ser uma má ideia reuni-los também.

— Oh, isso seria perfeito!

Muitas frotas de patrulha controladas pela nobreza tinham sido dissolvidas.

Caso seus restos fossem coletados, eles, sem dúvida, chegariam a uma força nas dezenas de milhares também.

E Cashimiro tinha amigos fora das forças armadas também.

Casas mercantes… e até mesmo o primeiro e segundo arsenal haviam lhe jurado auxílio.

— Dolph, se eu reunir os soldados para você, consegue organizá-los em uma frota?

— É possível, mas não acho que serão muito úteis. No máximo, poderemos usá-los como engodo.

Dolph não tinha expectativas algumas para os novatos reunidos no último minuto.

Era o mesmo para Cashimiro.

— Contate os arsenais e os deixe apropriadamente equipados mesmo assim.

— Tem certeza? O custo disso não seria pequeno, e aqueles soldados tendem a reclamar se seu tratamento for até mesmo um pouquinho insatisfatório.

Apesar de Dolph dizer que não valia a pena gastar dinheiro neles, Cashimiro disse que ele não precisava se preocupar com o orçamento.

— Eu não ligo! Se vou fazer isso, então vou fazer direito! Mesmo se custar um pouco, não importa desde que sirva para desgastar aquele pirralho mesmo que um pouco mais.

Com isso dito, Cashimiro ainda tinha mais uma carta para aperfeiçoar suas contramedidas.

— Agora vamos alimentar os piratas à Casa Banfield.

— Irá alimentá-los?

— Sim, faremos eles lutarem mais que nunca para garantir que se atenham às táticas de assalto. Quero manter a situação onde não há sequer a menor dúvida que manobras agressivas lhes garantirão vitória.

Dolph sentiu calafrios correrem por suas costas enquanto escutava Cashimiro rir com facilidade sobre abandonar os piratas.

— … não, isso pode funcionar. Isso nos trará um passo mais próximos da vitória.

Não eram apenas os piratas. Mercadores, arsenais, e até as forças armadas… Cashimiro havia decidido envolver todos na guerra contra a Casa Banfield.

E assistindo tudo isso desde o começo enquanto aplaudia estava o guia.

— … perfeito. Vocês dois estão dando o seu melhor para derrotar o Liam, então lhes darei todo o suporte que precisarão das sombras.

◇ ◇ ◇

— O que é… isso?

Quando cheguei na minha frota de patrulha designada, o que me aguardava eram várias armadas regulares.

A cena vista da ponte de uma nave de guerra da classe super com mais de trezentos mil metros de comprimento era de uma tremenda frota consistindo de incontáveis naves.

Naves de guerra se enfileiravam até onde os olhos podiam ver.

Minha imagem holográfica se projetava no espaço sideral como uma cerimônia para receber minha atribuição oficial.

Ao meu lado estavam Eulísia, que fora designada a me auxiliar como minha assistente, e Marie, que acabara de retornar das forças especiais.

Wallace também estava aqui como membro de suporte para a ponte.

E…

— Oficial de estado-maior especial, obrigado por me designar como capitão desta nave! Muitíssimo obrigado!

… um homem de cara grande com cabelos curtos eriçados expressava sua gratidão à mim.

Ele era o brigadeiro-general recém-promovido [Cedric Noah Albalate].

Designei ele como o capitão para a nave almirante que eu embarcava.

Após minha recente promoção a Tenente-coronel, recebi uma posição única de “Oficial de estado-maior especial”.

A propósito, Cedric era meio-irmão de Wallace.

Entretanto, ele era apenas outro das centenas de príncipes sem suporte.

Wallace estava espantado.

— Você está seriamente feliz o bastante para chorar?

— É claro que estou! Você não tem ideia do quão insatisfatório é patrulhar o universo sem razão nenhuma! Na verdade, como infernos foi você quem achou um patrono excelente desses.

Cedric começou a estrangular o pescoço se Wallace em inveja.

— Me rendo, ME RENDO!!!

Tia entrou na ponte barulhenta com outro oficial.

— Senhor Liam, trouxe o comandante.

Era um homem que parecia estar em seus quarenta.

Então na realidade deve ser bem velho.

Com a atual tecnologia antienvelhecimento, ter uma aparência de meia-idade dessas era como uma prova de longevidade.

— Estarei aos seus cuidados, comandante.

A outra parte estava sorrindo.

— Nunca teria esperado que seria colocado a cargo logo do famoso Conde. Bem, me certificarei de fazer minha parte.

Bajulação não parecia ter muito efeito nesse homem, mas para ter sido confiado com uma frota desse tamanho, ele deve ter as habilidades apropriadas para sua posição.

…… Melhor não fazermos esse cara de inimigo.

Recentemente aprendi que não devo puxar briga com pessoas problemáticas.

Como a família Berkley.

Eles eram realmente irritantes.

Tia começou a me informar sobre nossos planos futuros.

— Senhor Liam, amanhã levaremos a frota para patrulhar em volta da base de fronteira.

— A base de fronteira?

— Sim, pense nisso como algo similar a se apresentar e ao mesmo tempo garantindo a segurança de nossa rota.

Com uma frota tão grande dessas, realmente iríamos investigar o quão seguro era nosso caminho?

Normalmente essas coisas seriam feitas com frotas menores, então seria um leve desperdício fazer isso nessa escala.

— Por que não dispersamos nossas forças enquanto nos movemos rumo ao nosso destino. Sim, façamos disso uma competição. Iremos para lá primeiro e daremos recompensas para aqueles que chegarem depois de resolverem problemas piratas nas áreas locais.

Já que eu não iria levar essa posição a sério, iria transformá-la em um jogo para minha diversão… Tia parecia um pouco desapontada, todavia.

— Senhor Liam, esta é uma chance de exibir sua digna figura! Tal operação de frota é…

Porém, houve uma pessoa que me lançou um bote salva-vidas.

Foi a Marie.

— Oh, está refutando as ordens do Senhor Liam? Tem certeza disso? Até eu posso dizer que não faz sentido mover uma frota desse tamanho toda de uma vez.

— Também serviria como um treinamento para quando precisássemos nos mover nessa escala. Não que você possa entender isso.

— Mesmo que isso seja verdade, é melhor consolidar quando estivermos de fato no nosso destino. É tão triste ver nossa Cavaleira-chefe ser tão inflexível.

Cedric começou a sussurrar para Wallace enquanto elas discutiam.

— Essas Cavaleiras do seu patrono… a atmosfera entre elas não é meio tensa?

— Elas são sempre assim, você vai se acostumar logo.

Wallace estava rindo, mas ver minha Cavaleira-chefe e vice brigando não era nada engraçado para mim.

Eulísia ofereceu uma sugestão.

— Tenente-coronel, tem certeza que quer transformar isso em uma competição antes mesmo de chegarmos ao nosso destino?

Eu estava ignorando a posição do oficial comandante e tomando decisões por conta própria.

Mas quando olhei para o comandante, ele encolheu os ombros.

— Não é como se tivéssemos qualquer assunto urgente para tratar, então não vejo problema algum.

Era um pouco maior do que eu esperava, mas ainda era uma frota que eu havia preparado, então deve estar tudo bem usá-la como bem entendo.

— Sim, façamos disso uma competição. Derrotar piratas lhes dará pontos. Frotas de larga escala valerão dez, e até prepararei recompensas dependendo da pontuação.

Esses eram meus pensamentos sobre o jogo que estava prestes a começar… e alguns dias depois, os majores-generais que eu reuni pareceram excitados quando lhes expliquei as regras.

Quanto à mim? Pude assistir todo mundo competir entre si das margens como um Senhor Maligno.

◇ ◇ ◇

Eu liderava três mil naves ao objetivo… bem, um certo planeta.

Ele estava diretamente sob o controle do Império e era designado como um mundo ainda em desenvolvimento.

A atmosfera em torno das pessoas competindo pela recompensa pareceu mudar quando começamos, então me pergunto quando eles chegarão?

Atualmente, eu estava sentado em um assento luxuoso na ponte da nave enquanto balançando a bebida dentro do copo que eu segurava.

— Estou entendiado. Wallace, faz alguma coisa.

— Huh, o que está me pedindo para fazer? Sinto muito, mas já estou sem material.

Eu já fiz esse pedido despropositado ao Wallace dúzias de vezes.

Ele não parece ter mais nenhuma boa ideia.

Nós passamos os últimos dias apenas esperando nesse lugar desolado… e agora estou entediado.

— Há tempo livre demais.

Pensei que ficaria bem apenas relaxando em uma nave de luxo.

E certamente, as instalações desta embarcação eram substanciais, até mesmo ao ponto de possuírem um pequeno shopping center.

Havia muitos não combatentes aqui, e até mesmo algumas cadeias comerciais estavam abrindo lojas.

Estava lotada com tripulantes que estavam de folga ou descansando, transformando a nave em sua própria mini colônia.

Mas… qual o ponto de eu me divertir em um lugar desses?

Eu honestamente passei a maior parte do meu tempo livre no meu quarto.

Meus dias foram gastos comigo apenas balançando minhas espada treinando.

— Cedric, imite algo.

— Isso é impossível, Conde… já usei todo o meu material também, e mesmo então, maioria das celebridades que imitei são pessoas que você sequer conhece.

Cedric parecia estar sem boas ideias também.

Eu exauri todos os meus métodos de aliviar meu tédio.

Então Marie ofereceu uma sugestão:

— Então que tal começar a desenvolver esse planeta? Os soldados serão capazes de trabalhar, e também há frotas de suprimentos fadadas a se encontrarem conosco antes de nossos aliados chegarem. Então por que não tentamos construir um simples espaçoporto para eles?

Só por que eu estava livre, eu realmente iria começar a jogar um jogo de vida real de desenvolvimento de colônia?

— Okay, vamos começar logo. O que devemos fazer a respeito do desenho?

Eulísia me propôs:

— Senhor Liam, há pioneiros na superfície. Se tentar apoiá-los, será fácil obtermos a cooperação dos residentes quando usarmos este lugar como uma estação de retransmissão no futuro.

Para ser honesto, eu não estava lá muito interessado nos residentes originais, mas darei uma mão a eles já que tenho tempo para isso.

Para meu território, eu deixava um monte de coisas para a Amagi já que ela sabia o que era melhor para o nosso lucro futuro, mas deve ser divertido fazer as coisas do meu jeito para variar.

Mesmo se eu fizesse besteira e falhasse, ainda era apenas o território do Império no final.

Então não havia problema nenhum.

— Okay, vamos começar mudando as coisas na superfície então. Wallace, vou começar a construir instalações lá embaixo, então estou designando você como contramestre.

— Ehh~

Decidi deixar o angustiado Wallace descer à superfície e começar a construção para um escritório governamental.

— Sim, façamos um enorme edifício que realmente dará um impacto explosivo quando visto.

Porque fazer as coisas assim era uma boa maneira de desperdiçar dinheiro.

Vamos construir com ênfase no design.

Tia olhava para mim com suas mãos juntas.

Seus olhos pareciam estar brilhando.

— Isso soa incrível Senhor Liam.

Considerando como eu estava tratando os residentes como brinquedos para um jogo, eu não achava estar fazendo nada digno de elogio.

Bem, era apenas natural Senhores Malignos pisarem no outros.

Eu só queria desenvolver esse lugar como bem entendesse.

◇ ◇ ◇

… A frota de Liam tinha destruído outra armada pirata.

Tal tópico estava se espalhando meio ano após ele ter oficialmente ter recebido sua designação.

Os olhos do primeiro-ministro se arregalaram após ler o conteúdo do relatório.

— Isso é incrível.

Subordinados tinham sido despachados para investigar o quão poderosa eram as forças de Liam.

Espiões foram plantados como trabalhadores na frota.

E a maioria deles cantavam louvores dele.

Um de seus subordinados fez uma expressão aliviada.

— Parece que estão tendo uma competição para ver quem caça mais piratas, porém mais importante que isso é desenvolvimento que começaram para o planeta que foram delegados. Deixamos aquele lugar parado por tanto tempo porque os custos não valiam a pena, então isso é algo a celebrar.

Havia um planeta onde as frotas em competição de Liam estavam marcadas para se consolidar.

E Liam parecia ter feito várias melhorias lá enquanto aguardava por eles.

Agora havia um espaçoporto lá, apesar de simples. O planeta provavelmente se desenvolveria mais no futuro.

Na verdade, já parecia que mercadores estavam se reunindo por lá em esperanças de conduzir negócios com Liam.

Quanto à superfície do planeta…

— Hmm… então ele priorizou a construção das instalações necessárias primeiro. Ele tem bom julgamento.

Não havia instalações algumas construídas em solo em primeiro lugar, então os residentes ficariam gratos não importando onde fossem construídas.

Embora parecessem ser construídas com uma ênfase no design, esse nível ainda era razoável.

(Darei a ele cerca de oitenta pontos. Se ele ganhar um pouco mais de experiência, então será capaz de alcançar alturas ainda maiores… é fácil de esquecer por causa de todas as notícias sobre seus feitos militares, mas a fama original do Conde vem de sua habilidade em questões domésticas.)

Originalmente, ele foi altamente avaliado por como ele revitalizou seu território desolado, mas recentemente as únicas notícias que surgem dele parecem ser de suas caças piratas.

Com o modo como a situação parecia melhorar mesmo se deixada sozinha, o primeiro-ministro sentiu um sorriso se esgueirar ao seu rosto.

Porém… ele não era do tipo que acreditava em outros tão facilmente.

— Com conquistas assim, até as forças armadas não devem ser capazes de reclamar. Eu deveria fazer o Conde ser promovido a Coronel. Até darei uma medalha.

— Tem certeza?

— Algo desse nível ainda é pouco. Deveria promovê-lo a brigadeiro-general no ano que vem? Quero que ele seja pelo menos tenente-general antes de deixar as forças armadas.

(Bem, se isso não for o bastante para satisfazê-lo, deveria dá-lo outra coisa?)


Brian(´ω): — O Senhor Liam parece ter se tornado um tipo de lenda por bancar um papel ativo em assuntos domésticos e militares, mas é doloroso como ele mesmo não parece ter notado isso.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.


AnteriorPróximo

5 ideias sobre “LoMa – Volume 4 – Capítulo 11

  1. Thiago Morgado

    o que fazer quando se esta em uma nave que tem um shopping dentro dela?Trancar-se dentro do quarto e ficar praticando esgrima. Rapaz não sou capaz de expressar o quanto essa cena me fez rir.
    Construir as instalações essenciais é uma ação básica para qualquer pessoa que já jogou um rpg de gerenciamento de recursos. Fiquei surpreso dele ter sido tão exaltado por esse feito. Cada vez mais a impressão que que esse universo entrou em um estado semelhante a Cidade do Magos de Sevens esta forte, talvez tenha sido essa a origem da rebelião dos androides

    Curtido por 1 pessoa

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s