LoMa – Volume 3 – Capítulo 1

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


Divertida Escola fundamental

 

Era Primavera.

A cerimônia de entrada para a escola fundamental foi mais simples do que pensei que seria.

Ouvi que haveria crianças aristocratas de todo o império participando.

Com isso em mente, pensei que seria uma enorme cerimônia em um edifício com dezenas de milhares de pessoas, mas na realidade eles nos dividiram em níveis e realizaram as cerimônias separadamente.

…… Então em conclusão, era realmente um saco.

O primeiro edifício para onde fui enviado fora aquele construído especificamente para as crianças de maior prestígio aqui reunidas.

Apenas se você fosse capaz de pagar uma enorme quantia de doações, seria capaz de obter tal tratamento.

— Este universo gira em torno de dinheiro.

A pessoa que reagiu aos meus murmúrios foi outro rapaz que provavelmente havia realizado outra enorme doação também.

Era Kurt, herdeiro Casa Exner, Barões.

— Liam, eles vão ficar zangados se você não ficar quieto.

— Você precisa relaxar um pouco.

Kurt que havia treinado comigo na Casa Razel de Viscondes, era meu colega de classe porque éramos da mesma idade.

Essa pessoa estava seriamente almejando se tornar um Senhor Maligno, constantemente pensando em novos meios de espremer tudo o que pode de seu povo.

Ele também era um portador de licença do grande estilo de espada da escola Arend.

Seu rosto era bonito, e ele era alto.

Nos anos em que não o vi, ele parece ter amadurecido um pouco.

Por fora ele se parece com um jovem bondoso e sério, mas por dentro ele na realidade era um aspirante a vilão — era uma pessoa engraçada.

Olhei para os arredores.

— Mesmo assim, as pessoas aqui em volta realmente parecem metidas.

Só de olhar em volta, se era capaz de dizer que eram todos ricos.

Kurt falou que isso era natural.

— Qualquer um matriculado no primeiro edifício escolar tem que ser assim. Status, talento. Este é um lugar onde apenas um poucos seletos têm permissão de entrar.

Bem, eu era um vilão que havia aberto meu caminho aqui para dentro com o poder do dinheiro, todavia.

O que foi, algum problema com isso? É assim que as coisas são.

Desde que você tenha dinheiro neste universo, consegue lidar com a maioria das coisas.

Olhando em volta, havia uma garota em particular que havia atraído minha atenção.

— Uau, são cachos loiros de verdade.

Havia uma garota que tinha seus longos cabelos loiros em caracol.

Suas costas eram eretas, e ela realmente emanava a impressão de uma garota nobre.

Ela tinha olhos azuis, amendoados.

Seus rosto era pequeno, seus lábios frescos e vibrantes, e sua expressão realmente retratava quão forte o espírito que ela tinha.

Ela tinha peitos grandes para a idade, deixando muitas expectativas para quando amadurecesse no futuro.

Sua cintura era fina, e sua pele parecia boa.

Acima de tudo isso, ela era cheia em todos os lugares certos.

— Ela é a filha de uma Casa Ducal.

— De um Duque?

— Ela é uma celebridade, você não sabia? Rosetta Ceret Claudia, ela é uma aristocrata famosa, mas eu não sei muito mais que isso.

Havia muitos nobres neste universo.

No caso do Império, Casas Ducais eram filiais da Família Real, mas mesmo então, havia uma quantidade exorbitante delas.

Era impossível que eu recordasse todas elas — pessoalmente, eu podia apenas dar nome a umas poucas.

— Claudia… Eu só sei do nome.

— Ela vem de uma Casa Matriarcal, e aparentemente ela é a única filha.

— A única filha?

É perigoso ter apenas um filho neste universo.

Por quê?

Porque se a criança morrer, esse é o fim da sua linhagem.

É claro, os pais apenas precisam fazer outro filho nesse caso, mas mesmo então, ainda é perigoso possuir apenas um sucessor.

— Então, e quanto àquela pessoa ali? Ele parece mais orgulhoso que todos aqui.

Virei meu olhar para um homem que tinha longos cabelos azuis lisos.

Era um homem que parecia a própria definição do que um nobre deveria parecer.

Aparentemente, seu nome era Wallace — o centésimo vigésimo Príncipe do Império.

… Contrário ao caso de Rosetta, sua família tinha filhos demais.

Mas que diabos com centésimo vigésimo?

Os duques tinham apenas uma filha enquanto a príncipe era um de mais de cem.

Ambos cheiravam a problema.

Bem, isso realmente não importava para mim, então não iria dizer nada para eles.

Embora, certamente havia muitas pessoas com rostos agradáveis aqui. Eu já podia ver os efeitos da grande quantidade de doações que eu havia enviado.

Minha única queixa era a de não termos permissão de trazer servo nenhum de nossas casas.

Eu estava sentindo falta da Amagi, e estava começando a sentir saudades de casa.

◇ ◇ ◇

O segundo edifício da escola fundamental.

Esse era o dito edifício para onde os estudantes que tinham recebido “tratamento preferencial” eram enviados.

Era um lugar isolado dos outros edifícios escolares.

Uma festa de boas-vindas para novos estudantes estava sendo realizada no dormitório perto do edifício.

Entretanto…

— Aí, dança mais!

— Álcool, traga mais bebida!

— Gyahahaha!

…, prostitutas tinham sido chamadas para shows de dança, e as pessoas ali eram cuidadas pelos servos trazidos de seus territórios natais.

Pratos luxuosos e álcool faziam fila em uma enorme mesa.

Os estudantes que já estavam matriculados lá comiam e bebiam com os recém-chegados enquanto faziam bastante barulho.

No centro de tudo isso estava um estudante do terceiro ano, [Derrick Sera Berkley].

Ele tinha cabelos castanhos, e sua pele tinha um tom não muito saudável.

Seu corpo estava no lado magrelo.

Apenas sua barriga se estufava anormalmente.

Ele atualmente estava se afogando em álcool:

— Ei, primeiranistas! Se me seguirem, vou garantir que as coisas sempre sejam ótimas assim para vocês!

Derrick era igual ao Liam. Ele já havia sucedido como chefe de sua casa.

Ele era o barão de um território de fronteira.

Entretanto, ele havia nascido em um lugar que não possuía problema financeiro nenhum.

Quanto ao porquê, era por ser um ramo da Casa Berkley principal.

Ele era um estudante que possuía a mesma posição que Liam, mas contrário de Liam, que era chamado de “O Caçador de Piratas”, ele tinha a alcunha contrária de “O Nobre Pirata”.

— Derrick, você é o cara!

— Eu vou te seguir pela minha vida!

— Brindes ao Derrick!

Quando os estudantes primeiranistas o responderam com brindes, Derrick também bebeu.

— Todavia, os pobres realmente são patéticos. Eles não têm permissão de vir ao segundo edifício e são forçados a estudar seriamente aqui.

Só idiotas realmente estudavam na escola.

Os estudantes como Derrick, que havia recebido tratamento preferencial por suas enormes doações, haviam todos sido empurrados para o segundo edifício escolar.

Eles eram incômodos que traziam problemas e atrapalhavam a educação dos outros estudantes.

Esse era um dos problemas que o império ainda havia de resolver.

Um dos subordinados de Derrick trouxe um relatório sobre os calouros.

— Derrick, parece que Liam está entrando na escola este ano.

— Oh… quem?

— O Liam, você não conhece?

Derrick, que foi irritado pelas palavras de seu capanga, pegou uma garrafa de bebida e a desceu na cabeça do garoto.

A garrafa se partiu, enviando álcool e sangue voando para todo lado.

— Que diabos, com quem você acha que está falando?! Ei, deem uma surra nesse cara. Ele é o alvo do próximo jogo.

O bullying era referido como um jogo.

O estudante alvo se agarrou à perna de Derrick enquanto chorava.

— Me desculpa! Por favor me perdoa Derrick! Foi um acidente!

— Cala a boca!

Após chutar o capanga, Derrick soltou um suspiro profundo e se sentou em um sofá.

Os estudantes haviam congelado, e os arredores imediatamente haviam ficado silenciosos.

Derrick podia sentir sua frustração subir enquanto os servos começavam a limpar a garrafa quebrada.

— O clima foi arruinado. Ei, alguém me fala sobre esse tal de Liam.

— É-é claro!

Com a música ainda continuando no fundo, apenas o estudante dando a explicação falava:

— Liam da Casa Banfield de Condes. Ele é o homem que massacrou Goaz e múltiplos outros piratas famosos, ganhando fama e infâmia o bastante para receber a alcunha de “O Caçador de Piratas”.

Derrick levantou uma sobrancelha com isso.

— “O Caçador de Piratas”? É mesmo? Então ele é meu inimigo então?

Para Derrick, que era chamado de “O Nobre Pirata”, Liam, que havia elevado seu nome com caça a piratas, podia apenas ser considerado como seu adversário.

Os outros estudantes tentaram elevar o astral de Derrick.

— D-de jeito nenhum! Não tem como ele ter alguma chance contra você, Derrick.

Derrick ouviu esse comentário e riu:

— Isso mesmo! Ele é só outro nobre caipira que ficou metido com um pouco de fama.

Derrick recordou algo nesse momento:

— Ah é… aparentemente “Vossa Alteza” está se matriculando este ano.

— Sim! Vossa Alteza Wallace!

Derrick arreganhou um sorriso:

(Seria divertido ter aquele cara ajoelhado diante de mim.)

Derrick, que tinha uma visão desrespeitosa da família real, pensava que os calouros deste ano seriam muito divertidos de se mexer.

◇ ◇ ◇

Uma sala de aula no primeiro edifício escolar.

A cerimônia de entrada havia acabado e agora estávamos atendendo a aula.

— Eu sou John, e serei o professor de vocês bastardinhos de hoje em diante. Chamem-me de Professor John!

Ao invés de ser chamado de “Professor John”, seria mais adequado chamar o homem de pé na plataforma de “Instrutor Demoníaco”.

Esse professor não era claramente inadequado para ensinar aqueles que receberam tratamento preferencial?

Era o que eu estava pensando quando…

— Ei, você aí!

— Está se referindo a mim?

O Príncipe de cabelos azuis, Wallace, se levantou.

Olhando de perto, eu podia ver que ele estava realmente usando brincos.

— Que acessórios são esses nas suas orelhas?

— Oh, esses? Eu comprei eles na cidade antes da cerimônia de entrada.

O Príncipe respondeu como se estivesse menosprezando o professor.

A governanta havia me dito para ter cuidado com ele… aparentemente Wallace era uma criança problemática.

— Wallace, você é um estudante, e este é um local onde você deveria aprender o básico de ser um aristocrata. Você realmente achou que permitiríamos tais acessórios?

— Huh?

Vossa Alteza começou a olhar em volta — ninguém estava usando nada sequer remotamente semelhante a piercings, embora houvesse pessoas vestidas muito estranhamente.

Havia até mesmo pessoas como Tom, um estudante que tinha um penteado tornado que te fazia questionar a sanidade dele.

Eu me sentia irritado só de olhar para ele.

Entretanto, o Professor John nem mesmo deu atenção para.

… esse era o poder do dinheiro funcionando?

A empregada me disse que pelo Príncipe ser o centésimo vigésimo filho, ele na verdade não tinha muito valor.

Honestamente, por que havia tantos Príncipes e Princesas?

Havia simplesmente muitos demais para se cuidar de todos.

— Wallace, me dê cem flexões.

— E-espera! É só um acessório! E eu sou…

— Eu sei. Você é um Príncipe Imperial, mas deveria entender que há um certo comportamento a ser esperado da família real.

Uma educação militar?

Bem, eu não vou dizer nada contra.

Ele não fez nada após ver o penteado do Tom afinal.

… O poder do dinheiro é grandioso.

— Isso é tão errado!

Professor John fora frio com Wallace, que reclamava enquanto fazia flexões.

— É você que está errado. O que raios você achou que a escola fundamental era? Agora, continuemos com a aula. Permita-me dizer isso primeiro, este não é o seu lar. Vocês estarão vivendo em dormitórios compartilhados, e terão que cuidar de si mesmos.

Mesmo aqueles em volta não parecendo muito felizes com isso, este era um universo que tinha máquinas de lavar completamente automatizadas.

Elas tinham performances em níveis incomparáveis à minha vida passada. Você só precisava colocar suas roupas sujas dentro, então depois de lavá-las, elas as secariam e até passaria.

Depois de colocá-las dentro da máquina, você já tinha terminado.

Em tal situação, mesmo se nos dissessem que teríamos que fazer tudo sozinhos, não era realmente tão duro assim.

— Vocês não estão aqui para serem mimados. Estão aqui para se tornarem respeitáveis nobres dignos de serem os pilares que carregarão o futuro do Império.

Mas não havia razão nenhuma para virar esses tais “respeitáveis nobres” imediatamente, havia?

A escola fundamental realmente era para ser algo assim?

— Aqui na aula, lhes ensinaremos habilidades de vida básicas. Os hábitos de vida mimados com os quais cresceram até agora não serão tolerados. Preparem-se.

Vamos ter uma grande… vida escolar fundamental?

Pode ser um pouco difícil para as pessoas aqui.

— Primeiramente…

Entretanto, eu fiquei surpreso após ouvir a explicação do professor John que veio a seguir.

Era completamente diferente da vida escolar que eu pensava que teria.

◇ ◇ ◇

Wallace Noah Albalate era um Príncipe imperial.

O problema era, ele era apenas um de centenas de Príncipes.

Wallace, que havia retornado ao seu quarto no dormitório, sentia todo o seu corpo doer enquanto caía em sua cama.

— Todos eles, sempre me tratando como um idiota.

Diferente dos outros Príncipes que receberam muitos benefícios e tratamento preferencial, não havia tal suporte para Wallace.

Seria possível se sua mãe fosse de alta nobreza, ou se seu direito de herdar o trono estivesse nos dígitos únicos.

Até a faixa dos trinta na linha de sucessão, ainda seria possível ter suporte.

Entretanto, as centenas que vinham depois disso eram tratados como nada senão extras.

Wallace realmente não se via muito como um Príncipe também.

Afinal, ele havia apenas encontrado seu pai, o Imperador, meramente algumas vezes durante sua vida.

Ele havia passado sua vida no Palácio interno, tratado como apenas outro de centenas.

— Ainda assim, a escola fundamental parece ser um lugar mais duro do que eu esperava.

Wallace era bem educado, mas a escola era mais rígida do que o que ele estava acostumado.

Já havia se passado alguns dias desde a cerimônia de entrada.

Por alguma razão, Professor John estava de olho em Wallace, e parecia ficar zangado com quase tudo o que ele fazia.

— É difícil ter que acordar às cinco todo dia…

Eles tinham que fazer isso para se prepararem para o treinamento matinal que começava às sete.

Seus cronogramas estavam lotados do amanhecer ao anoitecer, então ele sempre voltava um caco.

E acima de tudo, o treinamento de artes marciais em particular era brutal.

Ele havia estudado o básico das artes marciais imperiais antes, mas o conteúdo das lições era duro para Wallace, apesar de sua experiência prévia com a escola Arend de espada.

— … Eu posso realmente alcançar meus objetivos em um ambiente desses?

Wallace tinha um sonho.

Nesse sonho ele era independente e livre.

Para esse propósito…

— Se eu não fizer isso agora, as coisas nunca mudarão. Eu já estou aqui, então me certificarei de ter sucesso!

…… ele iria paquerar garotas.

Não era uma piada, Wallace realmente necessitava paquerar garotas.

Isso porque fazer isso indubitavelmente o deixaria mais próximo de seu sonho.


Brian(´ω;`) : — …Tira o olho.


 

Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.


AnteriorPróximo

6 ideias sobre “LoMa – Volume 3 – Capítulo 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s