LoMa – Volume 2 – Capítulo 11

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


Caçador de Piratas Liam

 

Ávido tinha um escudo montado em cada um de seus ombros.

Era uma nave grande entre cavaleiro móvel, o tipo de máquina que colocava um fardo enorme sobre seu piloto.

Além disso, era uma nave muito difícil de se manobrar, tendo poder comparável ao seu enorme tamanho, e omitia as funções de auxílio.

Negro como o espaço, grande, e também… poderoso.

Quando tal ávido se aproximou dos cruzadores da Casa Peetak, começou a bombardear a nave com a bazuca que segurava em sua mão esquerda.

Mesmo os raios laser antinaves do cruzador acertando o Ávido — Todos eram bloqueados pelo escudo de energia em volta dele.

O cruzador explodiu em chamas por conta dos foguetes da bazuca.

Procurando por sua próxima presa, Liam começou a perseguir os cavaleiros móveis da Casa Peetak que fugiam do local. 

— Vocês são lerdos demais!

Todos os cavaleiros empregados pela Casa Peetak eram bens de segunda mão e desatualizados.

A diferença de desempenho era simplesmente grande demais, forçando-os a serem destruídos no momento que fossem pegos pelo Ávido.

— A sensação de uma diferença de poder esmagadora é incrível!

Seguindo atrás do risonho Liam, estava um batalhão de cavaleiros.

Eles supostamente deveriam ser a escolta de Liam, mas não conseguiam sequer manter o passo com ele.

Os cavaleiros móveis da Casa Banfield eram os modelos produzidos em massa usados no exército imperial

Mais especificamente, eram de um modelo novo em folha feito para uma força de elite.

Se eles quisessem ganhar uma vantagem através de números, os piratas inimigos e a Casa Peetak precisariam de uma força totalizando entre quarenta a cinquenta mil naves. 

Entretanto, mesmo que isso lhes desse uma chance, se conseguiriam ou não realmente vencer era outra história.

Quando Liam chegou na nave almirante da Casa Peetak, múltiplos círculos mágicos se manifestarem em volta do Ávido.

Cápsulas de mísseis começaram a se materializar deles.

Centenas de mísseis foram lançados, explodindo na nave almirante da Casa Peetak.

Assistindo a situação, Tia que montava uma nave branca…

— Para ser capaz de manipular uma nave complexa como se fosse uma parte de seu próprio corpo… é lindo. — Preciso me certificar de não perder para ele.

Enquanto ela absorvia sua imagem, fascinada, uma unidade inimiga se aproximou dela.

Em resposta, ela pisou no pedal para acelerar sua nave à sua velocidade máxima… destruindo a inimigo em aproximação enquanto passava por ele.

Inimigos eram destruídos um após o outro pela nave que Tia se recusava a desacelerar.

— Mais… MAIS!!!

Os olhos de Tia estavam injetados.

— O inferno que eu provei não é nada comparado a isso!

Os soldados Peetak em fuga imploravam por misericórdia.

Mas Tia não sentia simpatia nenhuma por eles, apesar de ouvir suas vozes.

Para Tia, no momento em que eles decidiram trabalhar com piratas, eles não eram nada além de inimigos a serem eliminados.

Por onde quer que a nave de Tia passasse, apenas os restos espalhados de seus inimigos eram deixados para trás.

Não havia ninguém entre os piratas nem entre a Casa Peetak que pudesse parar a Princesa Cavaleira de um país perdido.

◇ ◇ ◇

Enquanto a frota da Casa Peetak e os piratas estavam sendo massacrados.

Katerina, que deveria acompanhar Peter na viagem de volta ao seu território, não podia esconder sua confusão.

Todas as naves que tinham vindo para pegá-los eram desatualizadas.

Isso por si só era aceitável.

Não havia problema nenhum em usar produtos antiquados desde que fossem tratados com cuidado.

Entretanto, a nave bélica “Peter III” que o próprio Peter estava a bordo era completamente obsoleta.

Era um modelo de espaçonave bélica de centenas de anos atrás, e apesar de seu exterior ter sido remodelado para ser chamativo, o conteúdo de seu interior era terrível.

Além disso, os aposentos pessoais de Peter eram perdulários.

— O que você acha? Minha nave realmente é a melhor.

Quando Peter começou a falar, Katerina ficou perturbada:

— É-é bastante… hmm… vintage.

Apesar de sua impressão não ser muito favorável, Peter não pareceu se importar.

— É incrível, não é? Esta é minha favorita. É um modelo extraordinário lá em casa.

Katerina começou a se sentir tonta enquanto ouvia isso.

Naves bélicas de segunda mão compradas dos modelos que o exército imperial não usava mais seriam melhores que isso.

Sem mencionar que os aposentos de Peter eram desnecessariamente largos, o que ocupava espaço na nave que poderia ser usado para coisas mais importantes.

Peter não parecia entender que com essas modificações, o desempenho já minúsculo da nave, seria apenas reduzido mais ainda.

— Oh, e-eu na verdade prefiro naves menores. Já considerou comprar um cruzador?

Ao invés de viajar em algo grande e inútil assim, seria melhor simplesmente comprar uma nova nave de uma classe de tamanho menor.

Ela estava seriamente começando a contemplar se deveria ligar para o seu pai e pedir que ele emprestasse uma de suas naves no lugar.

— Eu não gosto de cruzadores. — Para ser honesto, teria preferido uma nave bélica da classe super, mas o império não me vende.

— …… você não tinha sido reconhecido pela capital?

Essa revelação surpreendeu Katerina, já que era diferente do que havia lhe sido dito anteriormente.

— Eu pedi a eles antes, mas me recusaram.

Naves almirantes da classe super, e os modelos ainda maiores da classe fortaleza, podiam ser vendidos apenas para nobres que o império havia reconhecido.

Elas eram um símbolo da quantidade de confiança que o império havia colocado sobre a casa nobre.

Para uma família do nível de uma Casa de Condes não ter esse reconhecimento… claramente havia algo de errado com eles.

(Isso é diferente do que me foi dito! Pensei que não haveria problema nenhum com um casamento nessa casa!)

Após escutar a história de Peter, ondas de inquietude começaram a cobrir Katerina.

Peter continuou a tagarelar, completamente alheio ao estado em que ela estava.

— Eu cresci tanto nos últimos três anos. Estou praticamente duas vezes maior do que costumava ser…

Mas Katerina estava contemplando seriamente seu futuro, enquanto ignorava as divagações de Peter.

(Primeiro, preciso entrar em contato com o papai e confirmar o cancelamento do noivado.)

Esta situação não era muito ruim?

A ansiedade de Katerina apenas parecia estar crescendo mais e mais.

◇ ◇ ◇

Enquanto eu me movia com o Ávido, a formação inimiga desmoronou enquanto eles começavam a fugir.

Eles eram o lixo idiota que clamavam ser parte da Casa Peetak.

Para até mesmo usar o nome de uma casa nobre famosa, apenas idiotas acreditariam em seu blefe e se retirariam.

— Porque não há Casa Peetak nenhuma aqui.

Eles eram uma casa que eu havia evitado porque se especializavam em retidão, seriedade, e justiça.

Sem dúvidas, eles eram uma casa nobre que colocavam ênfase em assuntos internos e ideais virtuosos.

Um exército particular de uma casa dessas ter uma frota incapaz cheia de equipamentos desatualizados era absurdo.

…… Era Impossível.

Eles cometeram um erro no nome que roubaram.

Esses caras sem dúvidas eram piratas malignos se passando por nobres.

— Mas eu sou mais maligno que vocês.

Em essência, os nobres deste universo eram o mesmo que piratas.

Diferente deles, todavia, mesmo se fossem um pouco mais bem comportados, nobres eram indivíduos que possuíam controle absoluto sobre seus próprios territórios.

Em outras palavras… como um vilão, eu era mais forte que eles.

— Agora, é hora de encontrar a nave almirante do inimigo.

Eu estive procurando pela nave almirante deles já há algum tempo, mas não pude encontrar.

Todas as suas naves pareciam iguais.

Enquanto procurava pela nave, deixei as forças inimigas restantes para os meus aliados.

Dentre todos, Tia era a melhor.

O número de inimigos que ela havia matado não parava de crescer.

— Oh, ela realmente é muito boa. Não esperava por esse achado.

Antes que eu notasse, todos os inimigos próximos tinham sumido.

Quando me movi para a área seguinte em busca de novos inimigos… Encontrei uma nave pirata que era um pouco maior que o resto.

◇ ◇ ◇

A ponte da nave almirante Var tinha recebido uma chamada dos piratas.

— Eu estou implorando! Nós nos rendemos, por favor tenha misericórdia de nós! Nós também somos vítimas aqui! Foi o Visconde Razel quem nos mandou fazer isso!

Em resposta ao seu apelo, o comandante em chefe falou:

— Ora, essa não é uma estória interessante.

Ele estava conversando enquanto bebia um copo de café. 

Enquanto fazia isso, as forças aliadas continuavam a atacar os piratas.

Ao contrário do comandante em chefe, o líder dos piratas parecia estar tendo um ataque.

— O que vocês querem para aceitar nossa rendição?! Vocês querem que juremos lealdade?! Nós até temos uma quantidade enorme de controle sobre o submundo que vocês podem usar! Se quiserem compensação monetária, nós pagaremos qualquer coisa!

O comandante em chefe sorriu para o líder pirata que estava vendendo seus serviços.

O líder pirata sorriu de volta, provavelmente pensando que estava salvo, mas…

— Falar dormindo é algo que você guarda para depois de dormir. Todos vocês piratas são iguais. No momento que sabem que vão perder, imediatamente começam a se vender.

— O-o quê?

— Me diga, você sabe o que fazemos com piratas assim?

— Você não quer saber mais sobre as intenções do Visconde Razel?! Precisará de nós vivos para que contemos porque ele atacou vocês!

— …… desnecessário. Não há necessidade nenhuma de negociar com piratas.

Enquanto o líder pirata começava a gritar algo, a imagem mostrada no monitor foi repentinamente preenchida com estática antes de ser cortada completamente.

Um dos operadores ofereceu um relatório:

— Ávido destruiu a nave almirante inimiga. O Senhor Liam também deixou uma mensagem dizendo: “eu estou voltando, estou me sentindo cansado.”

O comandante em chefe exalou:

— Dê a ele o OK para a retirada. Na realidade eu queria conversar um pouco mais com eles, mas se o Senhor Liam os derrotou cedo porque estava ficando cansado, acho que não tem jeito.

Ele queria ouvir o que mais o líder pirata ainda tinha a dizer.

O operador ofereceu outro relatório:

— O inimigo está se retirando.

O comandante em chefe ordenou:

— Persiga-os.

No momento em que Liam deu seu julgamento na questão, esse era o resultado natural.

O comandante em chefe olhou para Kurt, que tinha despencado em sua cadeira como se toda a tensão de seu corpo de repente houvesse sido liberada.

— Sir Kurt, por favor permita que me desculpe por envolvê-lo em nossa batalha com os piratas.

Kurt sacudiu sua cabeça.

— Não, eu aprendi bastante com isso. Surpreendentemente, até mesmo apenas ser um observador é cansativo.

— Fico feliz em ouvir isso. Alguém, traga uma bebida para o Senhor Kurt.

◇ ◇ ◇

Quando eu finalmente retornei, todos os soldados estavam enfileirados para me receber.

Isso me era realmente agradável.

Enquanto eu saía do Ávido, eles começaram a me aplaudir.

— Você foi maravilhoso, Senhor Liam.

— Sim.

Levantei minhas mãos e os respondi.

Eles estavam fazendo o seu melhor para me bajular.

Todo esse elogio estava sendo dado apesar do fato de que tudo isso era porque eu estava pilotando a arma incrivelmente forte conhecida como “Ávido”.

Eu me sentia poderoso.

Mesmo nossa vitória sendo óbvia, era bom ser elogiado assim.

Um soldado veio e me ofereceu um relatório.

— Após as escaramuças restantes terminarem, deixaremos três mil naves aqui, e iremos ao território do Barão Exner com o resto.

— Recolham todo o entulho e levem o resto de volta para o território. Encontramos algum tesouro?

O soldado sacudiu sua cabeça:

— Não encontramos nenhum tesouro digno de vós, Senhor Liam. Mas, o inimigo tem uma recompensa, então podemos coletar um prêmio do império.

A quantia listada na recompensa era enorme.

Isso seria muito útil para reconstruir as finanças da minha casa.

— Dessa vez foi um fracasso. Esperemos que aqueles no território do Kurt tenham mais.

Era natural eu ser elogiado… isso também, era tudo por eu ser aquele no comando aqui.

Se eu fosse apenas outro piloto, de jeito nenhum eu receberia tantos aplausos assim.

Nesse caso, eu também preciso me esforçar mais.

Ser capaz de fazer bagunça sempre que quiser, e voltar diretamente no momento que me sinto cansado… era realmente maravilhoso ser aquele no comando.

◇ ◇ ◇

Tia estava olhando para a pontuação de quem matou mais.

Apesar de haver uma diferença enorme entre ela e o terceiro colocado, ela não estava nem um pouco perto de Liam, que tinha a primeira posição.

Ela estava surpresa:

— Nem mesmo veteranos habilidosos podem pilotar uma nave dessas fácil assim.

De um ponto de vista geral, o Ávido era uma nave muito difícil de se controlar.

É claro que era difícil de se manobrar, mas não havia dúvidas que um piloto comum seria sacudido por suas altas especificações sem ser capaz de usá-lo adequadamente.

Os soldados conversavam enquanto faziam a manutenção no Ávido.

— Para ser capaz de controlar uma máquina dessas… Será que o Senhor Liam nasceu na Casa errada?

— Se ele tivesse nascido em uma Casa de cavaleiros, definitivamente se tornaria um ás de ponta do império.

— As juntas estão nos limites. Podemos ter que enviá-lo de volta à fábrica.

Longe de ser abalada por isso, Tia estava ficando mais excitada pelo fato de que Liam tinha a habilidade trazer o desempenho do Ávido aos seus limites.

◇ ◇ ◇

Uma enorme nave de transporte possuída pela Câmara de Comércio Henfrey havia chegado ao espaço pós-combate.

A Casa Banfield tinha os chamado para ajudar a repor seus suprimentos.

Um gerador de gravidade foi instalado para coletar os destroços.

Os destroços atraídos giravam em torno dele, enquanto uma cápsula de trabalho voava através do entulho para coletar o que quer que fosse considerado como ainda útil.

Eram os coletores de destroços do território do Liam.

Thomas, que possuía a enorme nave de transporte e os suprimentos, foi convidado para uma nave bélica.

Ele se preparou para as negociações, mas o tópico da discussão era os piratas.

— … então foi confirmado que eles estavam conectados com a casa viscondada?

Um soldado de aparência introduziu o assunto enquanto conferia a lista que Thomas havia providenciado.

— Bem, na verdade é uma história famosa entre os mercadores. Na verdade, muitas das ações que eles realizaram foram consideradas suspeitas por uma variedade de pessoas.

Mas o soldado sério não parecia interessado nessa informação.

Ainda mais que isso:

— Eu irei reportar agora, mas antes disso, gostaria de saber se a companhia Henfrey possui quaisquer planos de continuar a fazer negócios com a Casa Razel.

Mesmo eles estando próximos do território do Visconde, uma enorme frota de piratas havia os atacado.

Apesar de terem reportado a situação, não houve sinal nenhum de terem enviado qualquer ajuda.

O departamento militar não tinha uma alta opinião do fornecedor de sua casa manter uma conexão com tal visconde.

— Com este incidente, decidi me distanciar deles. Tudo que fizeram até agora foi simplesmente insultante demais.

O modo como trataram o Liam foi severo demais.

O soldado parecia concordar.

Ele estava batendo na mesa com uma caneta.

— Nos sentimos do mesmo modo, mas o Senhor Liam não quer protestá-los.

— O Senhor Liam não quer?

Qualquer reclamação que eles tivessem deveria ser completamente justificável, então Thomas não conseguia entender o que Liam estava pensando.

O soldado também parecia perturbado.

— Ele não parece interessado em fazer isso. Na verdade, parece que ele prefere se focar em criar uma forte relação com a Casa Baronial Exner.

— Ele certamente escolheu uma casa surpreendente para apoiar.

Em termos de território, os Exner não eram parceiros muito bons para se escolher.

Para uma casa dessas, Thomas não conseguia entender o processo de pensamento de Liam, que havia despachado um exército para derrotar os piratas praguejando o território deles.

Entretanto, o soldado em sua frente pareceu um pouco feliz.

— Não, até eu acho que não foi uma boa escolha em termos de território, mas o Barão Exner é considerado um herói dentro do exército. Mas o próprio é um parceiro invicto, que possui muita influência entre os militares.

O soldado na frente de Thomas provavelmente era outro dos fãs do Barão.

Ele parecia falar com um pouco mais de leveza quando se tratava do Barão.

Thomas ponderou isso.

(Entendo, então ele pretende fortalecer seus laços militares no futuro…)


Brian(*´ω*): — Então o Senhor Liam consegue fazer amigos. Este Brian está extático.

Amagi(*´): — É provavelmente seu primeiro amigo.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.


AnteriorPróximo

7 ideias sobre “LoMa – Volume 2 – Capítulo 11

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s