LoMa – Volume 1 – Capítulo 11

AnteriorPróximo


Escrito por Mishima Yomu/Wai (三嶋 与夢)
Traduzido Originalmente ao Inglês por Kuroinfinity


Tesouro

 

Os piratas fugiam.

Alguns dos cavaleiros piratas tentaram resistir, mas eventualmente eram cercados por soldados e derrotados.

Eles não tinham escolha senão desistir ao serem encurralados.

O assistente corria freneticamente pela nave.

— Goaz, aquele bastardo. Ele tá tentando escapar sozinho!

Após o esquadrão de abordagem inimigo ter penetrado a neve, ele de repente desapareceu.

Fugindo desesperadamente, o assistente estava tentando pensar em uma maneira de escapar dessa situação.

Ele puxou o mapa da nave com seu terminal pessoal.

— … Não há mais lugar nenhum para eu fugir. Maldição.

O assistente virou-se e se sentou, desistindo.

Em sua frente estava uma unidade inimiga liderada por um pequeno cavaleiro carregando uma espada.

Ele tentara fugir, mas não importava para onde fosse, haveria inimigos lhe aguardando.

O assistente levantou seus braços em rendição.

— Por favor esperem! Eu tenho informações que estarão interessados em obter!

O pequeno cavaleiro carregando uma espada sobre seu ombro parou, dando a ordem de aguardo para os homens atrás de si.

O cavaleiro soava razoavelmente jovem julgando por sua voz.

(Essa é minha última chance, preciso usar cada carta que tenho aqui para sobreviver.)

— Eu sou apenas outra vítima da tirania de Goaz, por favor tenha misericórdia de mim!

O cavaleiro usava um capacete, então suas expressões não podiam ser lidas.

— Isso mesmo! Eu também sei onde todo o tesouro é mantido! Não tenho a chave de acesso, mas posso mostrar onde está! Você pode confiar em mim!

O assistente imediatamente pôs-se de joelhos diante deles.

O cavaleiro ficou em silêncio.

Entretanto, o subordinado do cavaleiro abriu seu terminal e relatou.

— Senhor Liam, esse homem é o suboficial da frota pirata Goaz. Não acho que ele seja uma vítima forçada à vida de pirataria.

Diante da menção do nome “Liam”, o assistente levantou seu rosto.

— Liam? Você é o bast… digo, é claro que é o Liam! Não é de se espantar que tenha tal aura majestosa sobre si! Diga, que tal me contratar? Se juntarmos nossas força, então…

A visão do assistente de repente mudou.

Ele não moveu seu corpo nenhum pouco, mas sua visão ainda mudou mesmo assim.

Na repentina falta de peso de gravidade zero, ele pôde ver os corpos de cada indivíduo.

Até mesmo o seu.

— …huh?

A consciência do assistente desapareceu daquele ponto em diante.

◇ ◇ ◇

O guia estava chocado enquanto assistia o campo de batalha.

Ele atualmente estava de pé sobre uma nave pirata destruída.

— Isso é impossível. M-mas que merda de força é essa!?

O guia estava perplexo com o poder que Liam originalmente nunca deveria ter obtido.

A escola do Lampejo Único não existia neste universo.

Em primeiro lugar, ela fora apenas uma mentira criada por Yasushi.

Mesmo assim, de alguma forma, Liam foi capaz de reproduzi-la em realidade.

— Mesmo que ele seja talentoso, como obteve tal força!? O que exatamente aquele homem ensinou para ele?

Enquanto ele não olhava, Liam havia se tornado muito mais forte do que ele poderia ter imaginado.

Não havia como ele saber que Liam seria poderoso assim.

O guia agarrou sua cabeça com ambas as mãos.

— Isso dói! Eu estou sofrendo, merda!

Os sentimentos de gratidão de Liam estavam sendo transmitidos para ele mesmo agora.

Também havia um sentimento de confiança absoluta misturado — isso era nauseante.

— Não posso permitir que as coisas continuem desse jeito. Terei que dar algum poder para o Goaz.

O guia balançou seus braços, gerando fumaça negra em sua volta.

— Fazer isso vai contra o meu estilo, mas não tem outro jeito. Esse é o fim para você, Liam.

O guia sentiu vontade de vomitar diante do pensamento de ser forçado a sujar suas mãos.

◇ ◇ ◇

Goaz se escondia em um canto remoto da nave enquanto tremia.

Ele tinha a Caixa Alquímica agarrada firmemente em suas mãos.

Eu não quero morrer. Eu não quero morrer. Eu não quero morrer.

O líder de uma frota pirata cujo nome espalhava medo através do cosmo estava chorando como um bebê.

Em primeiro lugar, sua fonte ilimitada de fundos era a única arma de Goaz.

Como pirata, ele era apenas um pouco mais forte que a norma, se ele fosse descoberto, não havia dúvidas de que seria morto.

— Isso não pode ser real. Eu vou sobreviver a isso, não, eu viverei uma vida de luxo. Sim, isso mesmo, desde que eu tenha isso…

A Caixa Alquímica — se ele fosse um pouco mais esperto sobre como utilizá-la, Goaz poderia ter vivido uma vida fácil.

Ele não tinha que ser um pirata.

Essa era uma situação causada completamente pelas escolhas que o próprio havia feito.

Ele trouxe essas circunstâncias por conta própria.

Tendo dito isso, ninguém teria esperado que ele realmente perdesse contra Liam, a situação atual.

Nesse momento, fumaça negra começou a envolver Goaz.

— M-mas que infernos?!

A voz do guia o chamou:

— Goaz, irei dar a um bastardo como você uma chance.

— Quem está falando!? Quem infernos está falando!?

A fumaça negra forçou-se para dentro da boca de Goaz enquanto ele estava congelado de medo.

Quando o guia se materializou, Goaz já estava caído no chão, agarrando sua garganta com ambas as mãos, em dor.

O guia falou:

— Essa é sua última chance, eu lhe darei a oportunidade para derrotar Liam. Você quer vencer aqui, não quer?

Enquanto Goaz se forçava a assentir com sua cabeça, o guia prosseguiu a rir com seu sorriso de lua crescente.

— Isso serve.

A fumaça negra se dissipou, e Goaz deixou cair a Caixa Alquímica em surpresa enquanto repentinamente era libertado da dor.

— O que está acontecendo? Posso sentir poder correndo através de mim, e não me sinto assustado! Não sinto medo absolutamente nenhum!

Sua pele agora tinha um tom azulado, mas ele não sentia desconforto nenhum.

Na realidade, ele se sentia ótimo.

Goaz sorriu.

O guia também estava sorrindo.

— Sua pele agora é tão dura quanto Adamantium, então agora não tem nada a temer. Você transcendeu os limites da humanidade, então vá em frente e alvoroce!

— Isso é tudo por causa daquele pirralho! Eu vou matar ele!

O guia assistia Goaz partir enquanto pressionava uma mão contra sua testa.

— … isso foi um pouco excessivo. Acho que me diverti um pouco demais.

Considerando o quão frequentemente ele havia usado a porta dimensional recentemente, esse havia sido uma ação bem estúpida.

A figura do guia estava seriamente fatigada.

— Bem, pelo menos, isso garante que Goaz irá matá-lo. Ó Liam, arrependa-se do fato de ter me entendiado, e agora precisar cair em desespero.

Enquanto o guia desaparecia, uma pequena luz se aproximou da Caixa Alquímica.

A luz observando as ações do guia era a mesma que havia entrado no Ávido.

Transfigurando-se na forma de um cachorro preto e marrom, ela correu pelo corredor rumo a posição de Liam.

◇ ◇ ◇

Enquanto caminhava através do corredor, repentinamente senti uma onda de nostalgia passar por mim.

— …huh?

Quase parecia que a cauda de um cachorro marrom tivesse cruzado minha vista por um segundo.

Meus homens devem ter notado minha anormalidade.

— Senhor Liam, alguma coisa errada?

— Agora mesmo, você viu um cachorro?

— Um cachorro? Não, os sensores não detectaram nenhuma reação biológica, e mesmo assim, não haveria tal coisa aqui. Um cachorro nunca poderia vestir um traje espacial.

Eu só estava vendo coisas?

Mesmo assim, por que foi que eu me senti tão nostálgico por ver uma cauda?

… isso mesmo.

Me lembrou do cachorro que eu cuidei na minha vida passada.

Ao mesmo tempo, também me lembrei de todos os vários animais que morreram quando tentei cuidar deles depois disso.

Se eu não soubesse sobre minha vida passada, então teria apenas ignorado isso como bobagem sobrenatural.

Mas eu sabia sobre o guia, e tudo que ele havia feito por mim.

— Pensei que o trabalho dele já houvesse terminado…

— Meu Senhor?

— Não, não é nada. De qualquer modo, vamos naquela direção.

Enquanto prosseguíamos através do caminho onde vi a cauda passar, chegamos em uma área em total caos.

Todas as mobílias estavam espalhadas por todo lado como um depósito velho.

Havia muitos lugares para se esconder, então meus subordinados avançaram cuidadosamente, apesar do fato de que eu não sentia ninguém.

Mesmo o cachorro não parecia estar aqui.

Fiquei um pouco desapontado.

Enquanto suspirava e abaixava os olhos, avistei algo repousando no chão.

— O que é isso?

O que peguei era uma caixa dourada.

Era algo pequeno o bastante para ser segurado em uma mão só.

Tendo sido decorada de vários modos intrincados — gostei bastante dela.

— Peguei alguma coisa boa aqui, e agora é minha.

Os homens olharam para minha direção com olhares cálidos.

— Acho que os rumores sobre o amor do Senhor Liam por ouro são verdadeiros.

— Eu adoro ouro.

— E quanto a mithril e adamantium?

— Hmm? Gosto deles, mas ouro é melhor.

Senti que meus subordinados estavam um pouco confusos, mas mithril não era só um nome chique para prata?

E adamantium tinha uma imagem maior como algo usado como material de armas.

Ouro deve ser mais valioso.

Enquanto inspecionava a caixa, vi a cauda do cachorro na beirada da minha vista.

— … lá está de novo.

— Senhor Liam, por favor não avance sozinho!

Enquanto deixava meus homens para perseguir o cachorro, cheguei a um beco sem saída.

Mas alguma coisa parecia errado nele.

Após usar os sensores do meu capacete, descobri que na realidade havia uma porta secreta lá.

— Sinto cheiro de tesouro.

E após fazer meu subordinado explodir e destruir a porta oculta, encontrei o que poderia ser semelhante a uma montanha de tesouros.

Entretanto, não eram as riquezas de ouro e prata que eu havia esperado, mas uma montanha de antiguidades.

— … Acho que isso foi um malogro.

Meus homens exclamaram em surpresa:

— Não, isso ainda não é sorte grande!? Esses itens definitivamente valem uma fortuna!

— A maioria disso provavelmente são apenas falsificações.

Na realidade, muitas das antiguidades possuídas pela Casa Banfield eram falsas.

Por ora, vasculhei a pilha para ver se havia alguma coisa digna de valor.

— Ei, achei uma espada.

Era uma espada antiga que parecia pertencer a um jogo de fantasia.

Essa era a sensação que o desenho da bainha e o cabo passavam.

Simples, e modesta.

Enquanto a inspecionava, descobri que a lâmina estava em perfeita condição.

— Quero testar isso em alguma coisa.

— Não seria melhor não usá-la? Parece que vale bastante.

— Só usarei se necessário. Não se preocupem, é algo tomado dos piratas de qualquer jeito.

Coloquei a caixa dourada na enorme bolsa nas costas do meu cinto, enquanto equipava as duas espadas.

Se eu fizer escolhas sábias daqui em diante, posso nem mesmo precisar mais lutar.

— E agora, para onde devemos ir a seg…

— Senhor Liam, temos uma chamada de emergência chegando!

Meu subordinado berrou.

◇ ◇ ◇

Um dos esquadrões de abordagem havia se deparado com Goaz.

Mesmo eles usando exoesqueletos energizados, foram facilmente rechaçados por apenas um dos braços de Goaz.

— Merda, por que balas não estão funcionando?!

— Armas energéticas também não!

— Deixa comigo!

Um dos soldados disparou uma bazuca em Goaz, mas Goaz saiu caminhando da explosão e fumaça como se nada houvesse acontecido.

Os rostos dos soldados empalideceram.

Goaz esfregou uma de suas mãos contra o pescoço.

— Invadindo a nave pessoal de alguém, vocês não acharam que seriam capazes de sair daqui ilesos, pensaram?

Goaz estava intoxicado com o poder que havia ganhado e sentia que podia fazer qualquer coisa.

Nem mesmo um cavaleiro podia ser seu oponente agora.

Quando ele cerrava seu punho, não soava como as mãos de uma pessoa — havia um ruído de metal estridente.

— Vocês são todos meus brinquedos.

Goaz estourava os soldados com facilidade usando o poder do guia.

Balas, laser e explosivos, tudo era inútil contra ele.

Os soldados até tentaram alterar a pressão do ar no corredor, mas isso também não teve efeito algum em Goaz.

— Acho que se pode dizer que passei algumas remodelações recentemente.

— Ele é um ciborgue!?

Quando os soldados tentaram recuar, Goaz os perseguiu e os enviou voando.

Agarrando e lançando-os como se não fosse nada, Goaz alvoroçava com sua força recém obtida.

— Me tragam o pirralho! Vamos acabar com isso aqui e agora!

Um dos soldados enviou comandos em voz alta para seus arredores.

— Enviem uma mensagem para retirar o Senhor Liam da nave imediatamente! Nós absolutamente não podemos deixar que os dois se encontrem!

Sabendo que nenhum dos ataques dos soldados era efetivo, Goaz continuava a correr solto.

— O que aconteceu com suas bravuras de um segundo atrás!? Venham pra cima!

Sempre que ele socava um soldado, esmagaria completamente sua cabeça junto com o capacete.

Ao agarrar outro soldado para usar de escudo, os tiros pararam.

— Dessa vez, é meu turno de…

Quando jogou para longe o soldado que estava usando como escudo e deu um passo adiante, Goaz de repente sentiu uma dor correr por seu corpo.

— …… O quê?

Quando Goaz abaixou os olhos para si, ficou surpreso em ver uma quantidade de ferimentos lá.

Sem ele saber o que havia acabado de ocorrer, um humano saltou de cima dele.

A pessoa que saltou olhava para uma espada lascada coberta em sangue enquanto se levantava.

— Que dura.

O homem parecia estar rindo.

Ele usava um capacete todavia, então Goaz não podia ver seu rosto.

Goaz estendeu seu braço direito para agarrá-lo, quando de repente ouviu algo cair ao chão com um baque.

Seu braço foi decepado desde a ponta de seu cotovelo.

— …huh?

Para sua surpresa, o pequeno homem em sua frente havia jogado fora sua lâmina.

Em seu lugar, havia uma espada que Goaz lembrava-se de ver antes.

Era algo que ele havia armazenado na sala cheia de antiguidades.

Era uma espada muito valiosa.

— Ei, você! Isso é meu!

O homem riu:

— O quê? Isso? É minha agora. Além do mais, parece que você foi capaz de fazer farra muito bem sem ela.

Enquanto o homem sorridente repousava a espada em seu ombro, Goaz estendeu seu braço esquerdo para agarrá-lo.

Mas dessa vez foi seu braço esquerdo que caiu.

“-?!”

Goaz não conseguia entender o que estava acontecendo.

Ao contrário, o homem em sua frente olhava para a espada sinceramente.

Ele parecia bastante satisfeito com ela.

— Incrível, nem mesmo uma gota de sangue a manchou. Que interessante.

Goaz havia agora perdido ambas as suas mãos.

Apesar de ainda estar em um estado de confusão, fumaça negra começou a sair das superfícies cortadas, transformando-se em organismos tentaculares.

— Mas que merda!?

Goaz não conseguia controlar seu corpo, e atacou o homem em sua frente.

Mas o homem ignorava Goaz completamente.

— Gostei dessa espada, certamente utilizarem esta daqui de agora em diante. Tenho sorte de ter encontrado aquele tesouro.

Os tentáculos foram cortados em pedaços, junto com um dos pés de Goaz também.

Fumaça negra era constantemente emitida de Goaz, que agora estava ajoelhado.

— Ah… ahhhhh…

Goaz agora tremia, ele não conseguia entender o que estava acontecendo.

Sangue negro fluía de todas as superfícies cortadas.

Os soldados haviam se reunido em uma formação para proteger o cavaleiro.

— Senhor Liam!

Quando ele ouviu esse nome, Goaz levantou sua cabeça.

Suas sobrancelhas se enrugaram enquanto ele fitava a visão do homem demoníaco em sua frente.

— Então você é… você é aquele bastardo Liam!

O homem ainda estava inspecionando fervorosamente sua espada e nem mesmo poupou um olhar para Goaz.

— Sim, eu sou Liam. E também é SENHOR Liam para você, lixo. Mais importante, quem é essa pessoa enegrecida de qualquer modo? É um humano remodelado ou algo do tipo?

Os soldados responderam sua questão, mas pareciam um pouco duvidosos:

— Sua cor de pele é diferente dos relatórios, mas achamos que seja Goaz.

— Esse daí?

O braço esquerdo de Goaz havia tomado a forma de um chifre afiado.

— Não me ignore!

Ele estocou seu braço esquerdo para perfurar o coração de Liam, mas seu ombro esquerdo foi cortado dessa vez.

Liam desceu seus olhar para Goaz, que estava de joelhos.

Ele repousou sua espada contra seu ombro, e austeramente inspecionou o rosto de Goaz.

— Você é realmente Goaz?

Goaz começou a tremer.

(Mas que merda!? Como!? Isso é impossível! Como meu corpo foi cortado mesmo quando as balas ricochetearam!? Tem alguma coisa errada aqui. Algo aqui definitivamente está errado!)

O agitado Goaz levantou seu olhar para Liam.

— … p-por favor, tenha misericórdia.

— Huh?

— Me poupe. Por favor, me poupe. Eu nunca irei me opor a você de novo. Se me deixar viver, eu até te darei todo o meu tesouro.

Liam sorriu e começou a rir da oferta de Goaz.

Ele riu, e disse:

— … Não quero.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.


AnteriorPróximo

3 ideias sobre “LoMa – Volume 1 – Capítulo 11

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s